Notícias

Roteiro secreto de funeral da Rainha Elizabeth é divulgado pelos tabloides britânicos

O plano, até então sigiloso, detalha os códigos e procedimentos que devem ser tomados no dia em que a rainha Elizabeth II falecer

Aline
Aline Taveira / Produtora com informações do Politico
Roteiro secreto de funeral da Rainha Elizabeth é divulgado pelos tabloides britânicos
(Foto: Reprodução)

3 de setembro de 2021 - 14:37 - Atualizado em 3 de setembro de 2021 - 14:37

A ‘Operação Ponte de Londres‘, inicialmente compartilhada apenas com um pequeno grupo de pessoas e descreve os procedimentos a serem realizados no dia em que a rainha Elizabeth II falecer, vazou nesta sexta-feira (3). A operação foi batizada de London Bridge (Ponte de Londres, em inglês), em referência a um dos principais símbolos da Inglaterra.

De acordo com o novo documento vazado pelo site Politico, os planos do governo inglês foram revistos levando em consideração a pandemia. Entre os protocolos, estão a adição de faixas pretas nos sites de todo o país e o hasteamento de bandeiras à meio mastro.

O dia da morte da rainha é chamado de “Dia D”. O plano foi pensado pela primeira vez na década de 1960, mas nunca foi publicado em detalhes tão específicos. No entanto, aos 95 anos, rainha Elizabeth não tem problemas de saúde graves e está prestes a completar 70 anos de trono.

O vazamento revela que a primeira pessoa fora do Palácio de Buckingham a ser informada da notícia da morte da rainha será o Primeiro Ministro. Segundo o plano original, o código usado para transmitir a mensagem será: “A ponte de Londres caiu”. A família real irá então emitir uma notificação oficial dando a notícia ao público através da TV e imprensa, Charles será coroado como novo rei e o funeral de Sua Majestade acontecerá dez dias depois na Abadia de Westminster.

No terceiro dia após o anúncio, Charles inicia uma turnê pelo Reino Unido para visitar a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Na primeira parada, ele deve participar de uma missa na Catedral de St Giles, em Edimburgo. Já no dia seguinte, Charles segue para a Irlanda do Norte para mais eventos religiosos. No quinto dia, será realizada uma procissão entre o Palácio de Buckingham e o Parlamento, com uma cerimónia fúnebre e, então, o corpo da rainha ficará exposto por três dias no Palácio de Westminster, que ficará aberto 23 horas por dia para que o público entre em arquivo para prestar suas homenagens.