Brasil

Risco de nova barragem romper aciona sirene e afeta outra cidade de MG

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

8 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 8 de fevereiro de 2019 - 00:00

Barragem da Mina de Gongo Seco, da Vale (Foto: Google Maps)

Depois da tragédia em Brumadinho, moradores de Barão dos Cocais, a 100 km de distância de Belo Horizonte, foram retirados de casa na madrugada

O risco de rompimento de uma outra barragem provocou o acionamento de uma sirene, na madrugada desta sexta-feira (8), e, em consequência, obrigou a retirada de parte da população de casa na cidade de Barão dos Cocais, no interior de Minas Gerais.

Risco de novo rompimento

A cidade fica a cerca de 100 km de distância de Belo Horizonte. A barragem que pode romper é a Sul Superior da mina Gongo Soco.

Várias famílias que moram nas comunidades de Socorro, Tabuleiro e Piteiras, localizadas em Barão de Cocais, foram levadas para o ginásio poliespotivo da cidade em diversos ônibus. Este procedimento faz parte de um Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração.

Ação preventiva

Em nota à imprensa liberada às 3h20 da madrugada, a empresa Vale informou que a determinação pelo esvaziamento das residências partiu da ANM (Agência Nacional de Mineração) e é uma ação preventiva. “A Vale ressalta que a decisão é preventiva e aconteceu após a empresa de consultoria Walm negar a Declaração de Condição de Estabilidade à estrutura”, afirma o comunicado.

Operação afeta três comunidades

De acordo com a Vale, a operação vai afetar cerca de 500 pessoas nas três comunidades. “Como medida de segurança, a Vale está intensificando as inspeções da barragem Sul Superior. Também será implantado equipamento com capacidade de detectar movimentações milimétricas na estrutura. A Vale está trazendo consultores internacionais para fazer nova avaliação da situação no próximo domingo (10)”, completou a empresa no comunicado.

Tragédia em Brumadinho

Em 25 de janeiro de 2019, uma barragem da Vale se rompeu na cidade de Brumadinho (MG) e provocou um rastro de destruição e mortes. O último balanço indica que 157 corpos foram resgatados da lama e 182 pessoas permanecem desaparecidas.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.