Coronavírus

Restaurantes de Curitiba estão proibidos de funcionar com sistema de bufê

A suspensão do self-service vale para todos os estabelecimentos que trabalham com alimentos; o prazo é indeterminado

Caroline
Caroline Berticelli / Editora com Prefeitura de Curitiba
Restaurantes de Curitiba estão proibidos de funcionar com sistema de bufê
Foto: Pexels

17 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:46

O sistema de alimentação por self-service está proibido em Curitiba a partir desta sexta-feira (17). A suspensão dessa atividade em restaurantes, bares, lanchonetes, padarias e similares tem prazo indeterminado. 

De acordo com a administração municipal, a proibição temporária do sistema self-service foi adotada porque os consumidores podem expelir gotículas em louças, talheres e alimentos apresentados nos bufês, facilitando a contaminação, e também para evitar aglomeração de pessoas.

“O problema é que nesses ambientes as pessoas precisam ficar muito perto dos alimentos e também compartilham os utensílios para se servirem”, afirma a coordenadora de Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Francielle Narloch.

Bufê pode ser substituído por à la carte, delivery ou marmita

Por outro lado, os estabelecimentos poderão servir pratos à la carte, por delivery ou com entregas nos balcões. Nestes casos, os restaurantes e similares deverão seguir as regras gerais contidas no regulamento, como controle de fluxo de pessoas, fornecimento de álcool em gel, local para higiene das mãos, uso de máscaras e outras medidas que evitem a circulação do novo coronavírus.

A medida faz parte de uma série de posturas sanitárias, publicadas pela Prefeitura Municipal nesta quinta-feira (16), que deverão nortear os comerciantes durante a reabertura dos estabelecimentos. A resolução Nº 1 é um complemento do Decreto Municipal 470/2020 e também estabelece a obrigatoriedade do uso de máscaras pela população em geral

Quem descumprir a normativa está sujeito a responsabilização administrativa, civil e penal, sujeitando-se, por exemplo, à cassação de alvará, entre outras medidas.

Veja aqui a resolução na íntegra.