Notícias

Representantes de sindicatos se reúnem para discutir volta às aulas em Curitiba

No retorno às aulas entre os principais cuidados estão o distanciamento social, o uso de máscaras por crianças e profissionais, entre outros cuidados

Pablo
Pablo Mendes com informações da Prefeitura de Curitiba, com supervisão de Guilherme Becker
Representantes de sindicatos se reúnem para discutir volta às aulas em Curitiba
(Foto: Divulgação/ Prefeitura de São José dos Pinhais)

14 de julho de 2021 - 15:25 - Atualizado em 14 de julho de 2021 - 15:25

Representantes da Secretaria Municipal da Educação receberam, nesta terça-feira (13), dirigentes do Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) e do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais Curitiba (Sismuc) para esclarecer questões relativas à volta às aulas híbridas, a partir do dia 19.

O superintendente Executivo da Educação, Oséias Santos de Oliveira, destacou que o Protocolo de Retorno das Atividades Presenciais, elaborado no ano passado, deve ser seguido em todas as unidades e para isso é necessária a colaboração de todos.

“As normas e orientações que precisam ser seguidas por estudantes e profissionais da educação, no retorno presencial nas unidades da rede municipal de ensino, estão previstas no nosso protocolo, elaborado a partir dos estudos e planejamento de um comitê composto por 28 membros de diversos segmentos e validado pelo Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde”,

Disse Oséias.

A Secretaria Municipal da Educação já investiu mais de R$ 2 milhões na aquisição de itens para prevenção ao novo coronavírus e produtos de limpeza destinados a toda rede municipal de ensino. 

Todas as unidades estão equipadas com Equipamentos de Proteção Individual (máscaras, face shields), termômetros e itens de limpeza (tapetes sanitizantes, totens de álcool gel), entre outros. Também estão sendo sanitizadas com amônia.

O superintendente adiantou que serão adquiridas nas próximas semanas mais máscaras, produtos de higiene e aventais para as unidades com educação infantil.

No momento do retorno, entre os principais cuidados estão o distanciamento social, o uso de máscaras por crianças e profissionais, aferição de temperatura na entrada e limpeza dos pés em tapetes sanitizantes, interdição de bebedouros coletivos, além de horários escalonados para intervalo.

Desde o ano passado, chefes dos Núcleos Regionais da Educação, os diretores e demais profissionais das unidades, além das empresas terceirizadas de limpeza, foram orientados em relação ao protocolo.

A superintendente de Gestão Educacional, Andressa Pereira, frisou que cada unidade tem seu comitê local para avaliar os espaços e adequá-los às normais sanitárias.

“Cada unidade tem suas particularidades e por isso são necessárias avaliações pontuais”.

Explicou Andressa Pereira.

A ocupação máxima será de 50% da capacidade, o que varia conforme o tamanho da unidade. Por isso, cada escola e Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) tem um comitê local encarregado de colocar as normas em prática, conforme sua realidade.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.