Internacionais

Recém-nascida que foi enterrada viva em panela de barro recupera a saúde

Ela foi encontrada em outubro deste ano; especialistas divergem sobre o tempo em que o bebê permaneceu embaixo da terra

Caroline
Caroline Berticelli / Editora

7 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 7 de dezembro de 2019 - 00:00

Uma recém-nascida que foi enterrada viva, em meados de outubro, na Índia, se recuperou totalmente, segundo o médico que a atendeu. 

Após ser encontrada dentro de uma panela de barro, ela foi levada ao hospital em estado crítico, sofrendo de uma infecção grave. Além disso, o bebê apresentava uma quantidade baixa de plaquetas no sangue.

“A criança ganhou peso e melhorou a respiração – a contagem de plaquetas também está normal”, explicou o pediatra Ravi Khanna.

Os pais da menina não foram encontrados e ela será colocada para a adoção. Mas, por enquanto, ainda permanecerá sob custódia das autoridades de bem-estar infantil no distrito de Bareilly, no Estado indiano de Uttar Pradesh.

Recém-nascida viva é encontrada por homem que enterrava outro bebê

A recém-nascida foi localizada por um homem que estava enterrando sua própria filha que havia nascido morta. Conforme contou, ele havia cavado cerca de 90 centímetros abaixo da superfície quando sua pá bateu em um pote de barro, que se quebrou. Foi então que ele ouviu um choro de bebê e quando puxou a panela, encontrou a criança ainda viva.

No hospital, os médicos constataram que ela era um bebê prematuro, possivelmente nascido com 30 semanas de gestação.

Não se sabe quanto tempo o bebê ficou enterrado, mas a equipe que a recebeu declarou que foram entre três e quatro dias. “De três a quatro dias antes de ser encontrada, sobrevivendo com sua gordura marrom”, explicou Khanna. Os bebês nascem com gordura no abdômen, na coxa e na bochecha e podem sobreviver em caso de emergência por algum tempo.

Já outros especialistas dão uma estimativa mais conservadora: dizem que ela só se manteve viva porque ficou embaixo da terra por “duas a três horas”. Segundo eles, a garota poderia ter sobrevivido por “mais uma ou duas horas” se não tivesse sido resgatada.

Sobre o oxigênio acredita-se que uma bolsa de ar dentro da panela deve ter fornecido oxigênio ou o ar pode ter entrado no solo através de uma rachadura.

*Este conteúdo foi elaborado a partir de matéria publicada no R7