Notícias

Queiroga faz apelo a países por vacinas, garante que população será vacinada até fim do ano

Reuters
Reuters
Queiroga faz apelo a países por vacinas, garante que população será vacinada até fim do ano
Ministro Queiroga em entrevista em Brasília

30 de abril de 2021 - 13:20 - Atualizado em 30 de abril de 2021 - 13:25

Por Eduardo Simões e Stephanie Nebehay

(Reuters) – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta sexta-feira que é possível garantir que a população brasileira seja vacinada contra a Covid-19 até o final deste ano, mas aproveitou para reiterar apelo a países que possuem doses excedentes que compartilhem os imunizantes.

“Temos doses suficientes já, para o segundo semestre, e é possível se garantir que até o final do ano de 2021 tenhamos a nossa população inteiramente vacinada”, disse o ministro ao participar remotamente de entrevista coletiva da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Genebra.

Segundo dados do Ministério, até o momento 28,9 milhões de pessoas receberam ao menos a primeira dose de uma vacina contra Covid-19 e 13,2 milhões receberam as duas doses. A estimativa é que a população a ser vacinada seja de 170 milhões de pessoas e todos os imunizantes com os quais o Brasil fez acordo de compra são aplicados em duas doses, exceto o da farmacêutica Janssen, que deve vender 38 milhões de doses ao país.

“Reiteramos nosso apelo àqueles que possuem doses extras de vacinas para que possam compartilhá-las com o Brasil o quanto antes possível, de modo a nos permitir lograr avançar em nossa ampla campanha de vacinação, de modo a conter a fase crítica da pandemia e evitar a proliferação de novas linhagens e variantes do vírus”, afirmou o ministro, que também rejeitou a ideia de que há atraso na vacinação no Brasil.

Antes mesmo de iniciar sua apresentação, Queiroga prestou condolências à vítimas da Covid-19 e seus parentes. O Brasil ultrapassou, na quinta-feira, a marca de 400 mil mortos pelo novo vírus.

“Desejo expressar meus sinceros sentimentos por todas as vítimas da Covid-19 no Brasil e no mundo, e me solidarizar com seus familiares por tamanha perda”, disse.

Ao lembrar que comanda o ministério há aproximadamente um mês, Queiroga afirmou que sua atuação prioriza duas frentes: a aceleração da vacinação, por um lado, e a orientação da população sobre o que chamou de medidas “não farmacológicas cientificamente comprovadas a serem seguidas no combate à Covid-19”, como máscaras, higienização das mãos e distanciamento físico, por outro.

O ministro afirmou ainda que trabalha e forma a conciliar medida sanitárias com a necessidade de assegurar o emprego e a renda da população.

Queiroga também disse que os diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) têm capacidade de resistir a pressões políticas, ao ser questionado sobre a decisão do órgão regulador de rejeitar pedido de importação da vacina russa contra Covid-19 Sputnik V.

(Reportagem adicional de Maria Carolina Marcello)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3T0VS-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.