Notícias

Queiroga defende que planos de saúde arquem com custos de vacinas

Reuters
Reuters
Queiroga defende que planos de saúde arquem com custos de vacinas
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante sessão da CPI da Covid no Senado

5 de julho de 2021 - 16:00 - Atualizado em 5 de julho de 2021 - 16:00

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu nesta segunda-feira que os planos de saúde arquem com os custos de vacinas a seus clientes, após a pasta pedir que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) inclua o imunizante contra a Covid-19 na cobertura dos planos privados.

“Quem não tem plano de saúde tem acesso pelo Programa Nacional de Imunização”, disse Queiroga a jornalistas.

“Se houver um cenário em que as vacinas podem ser adquiridas pela iniciativa privada, aí eles (clientes) vão ao plano. No momento atual, é impossível se ter vacina pela iniciativa privada, então os beneficiários da saúde suplementar podem tomar a vacina no PNI como todos os brasileiros, e as operadoras vão ressarcir ao sistema público de saúde”, acrescentou.

O ministro disse que a medida ainda depende de análise da agência reguladora do setor, a quem cabe decidir se determina que os planos de saúde incluam o imunizante contra a Covid no rol de cobertura.

“Primeiro é necessário que a agência (ANS) aprove. Se a agência não aprovar, esse assunto deixa de existir”, afirmou

Mais cedo, Queiroga participou da reunião do Conselho de Saúde Suplementar e, na entrevista no início da tarde, o ministro reclamou que há recursos que as operadoras privadas deveriam repassar ao SUS como ressarcimento de despesas, o que não acontece.

“Quarenta e oito milhões de brasileiros custeiam plano de saúde. E custeiam por um motivo simples: ter assistência em saúde. Isso abrange desde a atenção primária até a atenção especializada em saúde e políticas de vacinação constam da questão da atenção primária”, disse o ministro.

“Uma vez aprovada (a inclusão pela ANS), se as operadoras de saúde ainda não conseguem adquirir essas vacinas, elas podem ser aplicadas no Programa Nacional de Imunização, e aí as operadores vão ressarcir ao SUS como já acontece. Aliás, não acontece, porque tem mais de 5 bilhões de recursos que não foram ressarcidos ao SUS, e vocês sabem da dificuldade de financiamento do SUS”, disse o ministro.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH640SF-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.