Notícias

Promotoria faz buscas em Minas no rastro da mulher de Queiroz

Estadão
Estadão Conteúdo

23 de junho de 2020 - 08:46 - Atualizado em 23 de junho de 2020 - 08:46

O Ministério Público de Minas Gerais realiza na manhã desta terça-feira, 23, uma operação em conjunto com o Ministério Público do Rio de Janeiro para cumprir quatro mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte no âmbito das investigações sobre “rachadinhas” no gabinete do senador Flávio Bolsonaro à época em que era deputado estadual no Rio. Segundo a Promotoria, a operação tem como objetivo localizar Márcia Oliveira Aguiar, mulher do ex-assessor parlamentar do filho “01” do presidente, Fabrício Queiroz.

Márcia é considerada foragida desde quinta-feira, 18, quando foi deflagrada a Operação Anjo. A segunda ofensiva do MP-RJ nas apurações sobre as “rachadinhas” prendeu Queiroz em Atibaia (SP) em imóvel do ex-advogado de Flávio Bolsonaro Frederick Wassef.

As ordens de prisão preventiva de Queiroz e sua mulher foram expedidas pelo juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal da Capital. Com relação à Márcia, o magistrado considerou que ela teve “participação fundamental” nas manobras para embaraçar as investigações das “rachadinhas”, que apuram crimes de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo Nicolau, era “inequívoco” que Márcia, em liberdade poderia obstaculizar a apuração dos fatos, além de agir sob as ordens de Queiroz. Em sua decisão, Nicolau escreveu que assim como o ex-assessor parlamentar do filho “01” do presidente Jair Bolsonaro, Márcia também estava se escondendo, recebendo auxílio de terceiro e ainda cogitava fugir caso tivesse ciência de que havia sido decretada sua prisão preventiva.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.