Notícias

Produtores compram insumos agrícolas com antecedência, diz Bayer

Reuters
Reuters
Produtores compram insumos agrícolas com antecedência, diz Bayer
Lavoura de soja em Iowa

19 de outubro de 2021 - 20:19 - Atualizado em 19 de outubro de 2021 - 20:20

Por P.J. Huffstutter e Zuzanna Szymanska

CHICAGO/BERLIM (Reuters) – Agricultores dos Estados Unidos estão comprando sementes e produtos químicos que precisam mais cedo do que o normal, em uma tentativa de garantir oferta para a próxima primavera, em meio a problemas de cadeia de oferta de todo o setor, disse nesta terça-feira um alto executivo da empresa agrícola e farmacêutica Bayer AG.

A Bayer também estima que seus preços médios de sementes vão subir cerca de 5% em 2022, disse Liam Condon, presidente da unidade agrícola da Bayer, à Reuters nesta terça-feira.

“O que estamos vendo é uma carteira de pedidos bastante robusta”, disse Condon. “Como isso é extenso, ainda é muito cedo para determinar do nosso ponto de vista. Mas é claramente perceptível.”

Os produtores americanos estão se preparando para um aumento no valor de custo para produzir suas safras de milho e soja no próximo ano, em meio a preços crescentes de fertilizantes, produtos químicos e sementes, devido a questões trabalhistas, exportações e demanda crescente.

A Bayer não vê nenhum impacto em sua orientação anual de mudanças nos hábitos de plantio dos clientes ou uma paralisação de cinco semanas em sua principal unidade de produção de herbicida de glifosato na Louisiana após o furacão Ida, disse o grupo de ciências biológicas alemão nesta terça-feira.

A Bayer teve que fechar a fábrica da Louisiana depois que o furacão atingiu a Costa do Golfo no final de agosto, complicando ainda mais os problemas logísticos e da cadeia de oferta, que já haviam afetado os fornecimentos globais de fertilizantes e produtos químicos.

Os preços no mercado de fertilizantes, que também foi prejudicado pelo aumento dos custos de energia na Europa e na China, agora estão subindo para os níveis observados durante a crise financeira global.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9I1BO-BASEIMAGE