Economia

Privatização da Cedae depende de novo marco do saneamento, diz Fazenda do Rio

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

26 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 26 de setembro de 2019 - 00:00

Uma decisão sobre o modelo de desestatização da Cedae, a companhia estadual fluminense de saneamento, ainda depende da aprovação do novo marco regulatório para o setor, afirmou nesta quinta-feira o secretário de Estado de Fazenda do Rio, Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho. A Cedae foi dada como contragarantia de um empréstimo de R$ 2,9 bilhões tomado pelo Estado do Rio com o BNP Paribas no fim de 2017, uma das medidas inseridas no plano de recuperação fiscal firmado com a União.

Em entrevista sobre o Regime de Recuperação Fiscal (RRF), Carvalho lembrou que o governo fluminense contratou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para desenhar o modelo de desestatização para a Cedae. Só que as tratativas sobre a privatização foram suspensas à espera de uma definição sobre o marco regulatório, em discussão no Congresso Nacional. “Estamos esperando que essa discussão termine no Congresso para fechar o modelo”, afirmou Carvalho.

Depois de ser colocado em duas Medidas Provisórias (MPs) que caducaram, o novo marco regulatório do saneamento foi proposto pelo governo federal como Projeto de Lei (PL). O PL está em tramitação na Câmara dos Deputados, onde é discutido em comissão especial.

“Do ponto de vista econômico, o reflexo dessa insegurança se reflete no preço. Há um potencial prejuízo na venda da empresa nesse momento”, completou Carvalho.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.