Notícias

Suspeito de atirar em policial civil se entrega à DHPP; até agora são quatro envolvidos

Lucas
Lucas Sarzi
Suspeito de atirar em policial civil se entrega à DHPP; até agora são quatro envolvidos
Wagner foi morto a tiros. Foto: Reprodução/RIC Record TV.

16 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:46

O homem apontado como suspeito de atirar contra o investigador Wagner da Silva Campos foi preso nesta quinta-feira (16). O policial foi morto no último sábado (11), no Parolin, em Curitiba, e até agora pelo menos quatro pessoas estão envolvidas no crime. A polícia ainda investiga a motivação do assassinato.

O suspeito, que estava foragido, se entregou à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) acompanhado de seu advogado. Além dele, outros dois homens e uma mulher, já estavam presos.

De acordo com as investigações, o suspeito preso nesta quinta-feira era o responsável por coordenar o tráfico de drogas na região do Parolin. Na manhã deste sábado,amigos e familiares prestaram homenagens a Wagner, que era investigador da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

suspeito-preso-morte-policial-civil

Suspeito se entregou à DHPP. Foto: Reprodução/RIC Record TV.

Como o investigador foi morto

O investigador passava pela Rua Rubens Elke Braga quando foi atingido por vários tiros. Wagner Campos perdeu o controle do veículo e bateu contra o muro de uma casa. O Siate foi até o local, mas o policial morreu na hora.

Nesta segunda-feira (13), a equipe da RIC Record TV foi até o local onde teria sido o começo da confusão. De acordo com a mulher do quarto suspeito, que acabou se entregando, o investigador foi até o local no sábado para comprar drogas.

“Ele veio comprar cocaína. A Patrícia (suspeita detida) vendeu umas três, quatro vezes para ele já. A Patrícia é irmã do Liverson (O ÚLTIMO suspeito PRESO) e ela é usuária de droga também, então ela ia, buscava em algum lugar e dividia para os dois, tirava o dela e dava o resto para o homem (policial)”, relatou a companheira do homem que segue foragido da polícia.

A mulher do suspeito ainda revelou que o crime aconteceu quando o policial retornou pela segunda vez ao local. Na primeira vez, o policial estava acompanhado de uma mulher. Mais tarde, quando retornou sozinho houve a execução. Segundo a mulher, Wagner foi assassinado porque um dos suspeitos queria roubar a arma do policial.

A DHPP ainda não deu detalhes sobre o que já descobriu sobre o crime. As investigações seguem e agora, com a prisão do quarto envolvido, caminham para elucidação completa. Uma coletiva de imprensa foi marcada para esta sexta-feira (17) para falar do assunto.