Notícias

Presidente do IBGE pede demissão após corte orçamentário inviabilizar censo em 2021

Reuters
Reuters
Presidente do IBGE pede demissão após corte orçamentário inviabilizar censo em 2021
Homem caminha perto do Congresso Nacional

26 de março de 2021 - 18:45 - Atualizado em 26 de março de 2021 - 18:46

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Um dia depois de o Congresso aprovar o Orçamento de 2021 com um corte brutal de recursos para o censo demográfico que estava previsto para ser realizado este ano, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que a presidente do órgão pediu demissão do cargo.

“O IBGE informa que Susana Cordeiro Guerra pediu exoneração do cargo de presidente do órgão por motivos pessoais e de família”, disse o órgão em nota. “Ela continuará no cargo até a transição para o novo presidente a ser indicado.”

O censo deveria ter sido realizado em 2020 pelo IBGE, mas foi adiado para este ano por causa da pandemia da Covid-19. A lei orçamentária, no entanto, cortou a previsão de despesa com o pesquisa nacional a apenas 72 milhões de reais, de uma proposta inicial do governo de cerca de 2 bilhões de reais –que já representava uma diminuição do pedido original do IBGE por 3 bilhões de reais.

Em artigo publicado em jornal no início desta semana, Guerra e o diretor de pesquisas do IBGE, Eduardo Rio-Neto, fizeram um apelo aos parlamentares da Comissão Mista de Orçamento –responsável por votar o parecer do projeto orçamentário antes do plenário do Congresso– pela preservação do orçamento do censo, dizendo que o corte ameaçava a realização da pesquisa.

“Sem o Censo em 2021, as ações governamentais pós-pandemia serão fragilizadas pela ausência das informações que alicerçam as políticas públicas com impactos no território brasileiro, particularmente em seus municípios”, escreveram.

Procurada pela Reuters nesta sexta-feira, Guerra não quis comentar sua saída do governo. Ela foi indicada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Procurada, a assessoria do ministério também não comentou o pedido de demissão.

O censo faz uma radiografia do país e ajuda na formulação de políticas públicas, além de contribuir com parâmetros para a transferência de recursos da União aos fundos de participação dos Estados e dos municípios (FPM e FPE).

Internamente, havia uma preocupação de servidores do IBGE em realizar o censo este ano por conta do agravamento da pandemia. Algumas regionais já pleiteavam um novo adiamento para 2022 de forma que a coleta de dados em milhões de domicílios pudesse de feita de forma mais segura.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2P1TU-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.