Notícias

Estamos tomando providências para volta à normalidade, diz Bolsonaro sobre preço do arroz

A gente espera que a situação se normalize o mais rápido possível, disse o Presidente

Reuters
Reuters
Estamos tomando providências para volta à normalidade, diz Bolsonaro sobre preço do arroz
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto

15 de setembro de 2020 - 08:12 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 08:42

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro afirmou na segunda-feira a apoiadores quem, em razão do “excesso” de recursos no mercado pelo pagamento de auxílio emergencial, houve aumento no preço de alguns produtos como o arroz, mas disse para ninguém se apavorar e que providências estão sendo tomadas para a volta à normalidade.

“O preço aumentou um pouco de alguns produtos. Houve excesso de recursos no mercado, né, quase 50 bilhões (de reais) por mês. Muito papel na praça vem inflação… aumentou um pouco o consumo. Agora, não tem que ninguém se apavorar, querer fazer reserva de mantimentos em casa porque daí piora a situação. Estamos tomando as providências necessárias para voltar à normalidade, abrimos importação de 400 mil toneladas de arroz dos Estados Unidos. A gente espera que a situação se normalize o mais rápido possível aí.”

disse o Presidente no Palácio da Alvorada.

Bolsonaro disse que não pode fazer “as coisas na canetada” após um apoiador ter dito que ficou feliz com a taxa zero do álcool –numa referência à decisão de estender por três meses a cota de importação do etanol– e sugeriu que se passasse isso para gasolina e para o arroz.

“Eu não sou dono da minha caneta, não. Tem coisas que eu tenho que observar a legislação. O que não vai haver: não vai haver tabelamento de nada, não vai haver canetaço; com diminuição de tarifa na mão grande como foi feito no passado. A gente vai se acertar, o mercado vai se acertando. Obviamente que temos a preocupação de combater possíveis excessos. Ninguém vai tabelar nada e nem interferir no mercado. Isso já foi feito no passado e não deu certo”

destacou Bolsonaro.
tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG8E0UQ-BASEIMAGE