Política

Vereadores rejeitam abertura de impeachment contra Rafael Greca em Curitiba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais reportagem da CMC
Vereadores rejeitam abertura de impeachment contra Rafael Greca em Curitiba
Foto: Reprodução/Facebook.

30 de junho de 2020 - 18:06 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:38

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) rejeitou, na sessão remota desta terça-feira (30), pedido de abertura de processo de impeachment para investigar e cassar o mandato do prefeito Rafael Greca. O recebimento da denúncia de infrações político-administrativas, apresentada pelo advogado Pierre Lourenço da Silva, teve 27 votos contrários e 10 favoráveis.

Encaminhada ao presidente da CMC, Sabino Picolo (DEM), a denúncia pedia a abertura de impechment para a investigação de:

  • Suspeita de irregularidades nos repasses emergenciais ao transporte público;
  • Antecipação “eleitoreira” do décimo terceiro salário do funcionalismo municipal;
  • “Publicidade enganosa” do número de leitos exclusivos para pacientes da covid-19 e “criação de pânico”;
  • “Usurpação de competências da União”, devido à resolução (1/2020) que regulamentava o uso de máscaras pela população e à restrição de atividades pela pandemia. Confira anexos ao documento.

Conforme o artigo 75 da Lei Orgânica do Município (LOM), cabe à Câmara Municipal julgar infrações político-administrativas cometidas pelo prefeito, o vice-prefeito, o procurador-geral do Município e os secretários municipais. Segundo o procedimento determinado pelo Regimento Interno, a denúncia deve ser lida na primeira sessão ordinária após chegar à Casa. O presidente então consulta o plenário sobre seu recebimento. Parecer da Procuradoria Jurídica (Projuris), lido em plenário, aponta que a votação é simbólica e independe de discussão.

Se a maioria dos vereadores presentes decidirem receber a denúncia, é imediatamente sorteada uma comissão processante, formada por três vereadores, para a apuração e julgamento das suspeitas. O parecer final, pela procedência ou improcedência da denúncia, é submetido à deliberação do plenário, em sessão especial de julgamento. É o decreto-lei 201/1967 que tipifica os crimes de responsabilidade, sujeitos ao julgamento do Poder Judiciário, e as infrações político-administrativas, julgadas pelas Câmaras Municipais e sujeitas à perda do mandato.

Pela aplicação do “princípio da simetria” à Constituição Federal, Dalton Borba (PDT) pediu que a votação do recebimento da denúncia fosse nominal (ou seja, com o registro no painel eletrônico), mas o requerimento foi rejeitado. “Este tipo de processo requer clareza e informação à população”, disse o vereador. “Estamos obedecendo nosso Regimento Interno”, respondeu Sabino Picolo.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.