Política

Ratinho Junior afirma que pretende “baixar o pedágio” e ajustar modelo

Além disso, o governador do Paraná incentivou a população à participar das decisões através das audiências públicas que foram e serão realizadas

Daniela
Daniela Borsuk
Ratinho Junior afirma que pretende “baixar o pedágio” e ajustar modelo
(Foto: Jorge Woll/DER)

30 de março de 2021 - 11:27 - Atualizado em 30 de março de 2021 - 11:27

Durante entrevista para a Jovem Pan Curitiba na manhã desta terça-feira (30), Carlos Massa Ratinho Junior, governador do Paraná, falou sobre a implantação de um novo modelo de pedágio no Estado. Ele ainda informou que pretende baixar os valores pagos pelos motoristas e dar mais transparência nos processos de licitação.

“Nós vamos trabalhar em três frentes que é: baixar o pedágio, nós temos que trazer transparência para o pedágio, que é bolsa de valores, esse negócio de fazer licitação onde as pessoas não sabem o que tá acontecendo, não tem auditoria, não tem compliance, nós vamos colocar na bolsa até para evitar que os ‘picaretas’ queiram participar, e também obra. Não adianta ter pedágio baixo sem você ter obra, nós temos que duplicar de Curitiba a Foz do Iguaçu, nós temos que fazer a duplicação de Curitiba a Maringá, nós temos que fazer a duplicação de Curitiba a Londrina, nós temos que fazer as duplicações no Norte Pioneiro que foi muito prejudicado por anos por falta de infraestrutura […]”

Explicou o governador.

Ele ainda mencionou como as notícias falsas que circulam pelas redes sociais são prejudiciais e falou que, neste momento, alguns ajustes são necessários. Além disso, incentivou a população à participar das decisões através das audiências públicas que foram e serão realizadas. “Você apresenta o projeto arquitetônico da casa. Agora vem as audiências públicas, a população vai dizer ‘o banheiro não quero aqui, quero deste lado, essa janela não dá para ser aqui, é desse lado’, e você vai afinando o projeto”, descreveu.

Ao ser questionado se seguirá o modelo inicial proposto pelo Governo Federal, Ratinho Junior afirmou que algumas opções já foram descartadas.

“O modelo do Governo Federal tem muito boas soluções, não é um modelo ruim, mas o que temos que fazer é um ajuste fino. Não queremos outorgas, que é no desempate a empresa vai lá e coloca R$ 2 bilhões na mesa, esse dinheiro vai para o Governo Federal e nós não aceitamos. Nós queremos que o dinheiro fique no Paraná, tira a outorga, que daí já é outro modelo”.

Pontuou o governador do Paraná.

Após os ajustes mencionados pelo governador, o Ministério da Infraestrutura manda o modelo decidido para o Tribunal de Contas da União para aprovação. “Nós estamos há dois anos fazendo estudos de origem e destino, fluxo de caminhões, fluxo de carros, a quantidade de pessoas que passam pelo pedágio por dia […] e assim por diante, é um estudo muito complexo”, argumentou Ratinho Junior.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.