Política

O bajulador-geral da República

Procurador-geral volta aos tempos de dublê de advogado para servir a quem pode levá-lo ao STF

O bajulador-geral da República
(FOTO: Divulgação/PR)

15 de maio de 2020 - 00:00 - Atualizado em 5 de junho de 2020 - 10:26

Qualquer advogadozinho de porta de cadeia – até mesmo o rábula petista que ora ocupa a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) – se daria por mais que satisfeito com as provas que o presidente da República, Jair Bolsonaro, dá para justificar todas as acusações feitas contra ele por Sérgio Moro. Era de imaginar, então, que o ex-advogado e atual procurador-geral, Augusto Aras, não perderia o expediente para buscar pelo em ovo no parecer encaminhado ao decano daquela instituição, ministro Celso de Mello, ao fazer considerações aleatórias sobre temas que não são de sua alçada. E pior: para as quais não dispõe de prova nenhuma.

Primeiro, ausentou-se da sessão para a qual foram convidados o Ministério Público Federal (MPF), que chefia, a Advocacia-Geral da União (AGU), à qual parece prestar serviços extraordinários, o acusador Sergio Moro e sua defesa, demonstrando nítido desinteresse pelo assunto em pauta. E, depois, produziu esta pérola: “O procurador-geral da República não compactua com a utilização de investigações para servir, de forma oportunista, como palanque eleitoral precoce das eleições de 2022”. Atribuiu ao acusador a pecha de fazer uso eleiçoeiro de suas denúncias. De lambujem, despachou contra a degravação do vídeo, aproveitando para fazer sibilinas críticas ao relator pela rapidez com que toca o inquérito.

Assim, confirma a avaliação deste autor de que ele é disponível aos interesses de velhos amigos do PT, como José Dirceu. E cumprirá a autoanistia empreendida por quem o nomeou para o cargo, Jair Bolsonaro, desmascarando a sub-reptícia aliança de interesses entre lulopetismo e nazibolsofascismo. Diz-se que o ex-PGR Geraldo Brindeiro foi “engavetador-geral”. Se for coerente com seu parecer, o baiano Aras, filho do petista Roque, maçaneta de Chico Pinto, que frequentava a casa do chefe da segunda seção do Exército em Salvador, a quem revelava nomes e atos de adversários da ditadura militar, arquivará as acusações contra o atual presidente.

O despacho de arquivamento não poderá ser anulado pelo relator, pois a decisão final não cabe ao juiz, mas a ele. Ainda assim, as forças democráticas não assoladas pela covardia terão de cobrar do Senado punição cabível para adverti-lo de que o Ministério Público, elevado pela Constituição de 1988 a “quarto poder” de fato, nunca deveria ser chefiado por um “bajulador-geral da República”. Até para os varões desta República se redimirem do aval que deram a quem joga no lixo a imagem positiva que sua corporação tem no povo que paga seus polpudos vencimentos.

E é por isso que aquele que pode indicá-lo para o lugar do decano no STF aposta no destino de país tribal transaariano para nossa desafortunada Pátria amada, mãe gentil.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.