Política

Mesmo aliado à base do governo, Evandro Roman critica novo modelo de pedágio: “Não serve para nós”

A proposta prevê 15 novas praças de pedágio no Paraná e outorga que impede desconto ao consumidor

Guilherme
Guilherme Becker / Editor com informações da rádio Jovem Pan Paraná

O deputado federal Evandro Roman (PSD), que é aliado à base de Jair Bolsonaro, criticou o novo modelo de pedágio no Paraná proposto pelo governo federal. De acordo com o parlamentar, caso não ocorra alteração no edital que deve ser publicado no próximo mês, “não haverá acordo em hipótese alguma”.

Roman deu a declaração durante um debate promovido pelo programa Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan Paraná, nesta sexta-feira (16). Estiveram presentes, além do deputado federal, Rainer Zielasko, presidente do programa Oeste em Desenvolvimento, Dilvo Grolli, diretor presidente da Coopavel, e Edson Vasconcelos, vice-presidente da Fiep. 

Para Roman, o maior problema é o custo das obras, que já eram para ter sido concluídas nos últimos 25 anos, sair novamente do bolso do consumidor. O questionamento do deputado é em relação, principalmente, a duplicação do trecho entre Foz do Iguaçu e Paranaguá, importante corredor para o setor produtivo do oeste.

“A ferida está aberta há 25 anos e nós já pagamos essa duplicação até Paranaguá. Pagamos a primeira e não recebemos, vamos ter que pagar a segunda e sabemos que não vai sair”,

enfatizou Roman.

De acordo com a proposta, que prevê arrecadar R$ 156 bilhões nos próximos 30 anos, as obras devem ser custeadas entre 7 e 9 anos. Além disso, uma outorga onerosa foi incluída na proposta.

“As pessoas que estão se comprometendo hoje, são muito bem intencionadas, mas elas não estarão daqui a 9 anos para responder. E vão nos responder que na hora de assinar o contrato, o objetivo era esse. Mas como nós vivemos em um país em que tivemos agora em um passado recente um ex-presidente condenado em duas instâncias e que reverte a situação, um ‘ou seja’ é o suficiente para o judiciário mudar qualquer situação que vamos ter pra frente”,

criticou Roman.

O deputado ainda reforçou que mesmo pertencendo a base aliada do governo, o modelo não pode ser aprovado. “Mesmo sendo base do governo, deixamos muito claro que é algo que não serve para nós”, comentando que quem realmente paga a conta deve ser ouvido.

“Ele (governo federal) terá que aprimorar. Ele sabe que nós não vamos estar aceitando, vamos até às últimas consequências. Quando se fala em degrau tarifário, é trabalhar com meritocracia. Do contrário, teremos mais do mesmo que já sofremos há 24 anos”, finalizou Roman.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.