Marcelo Campelo
Justiça

Por Marcelo Campelo

Política
Marcelo Campelo

Presidente Bolsonaro + Cloroquina + Excludente da Ilicitude (MP 966/2020)

Presidente Bolsonaro + Cloroquina + Excludente da Ilicitude (MP 966/2020)

20 de maio de 2020 - 00:00 - Atualizado em 5 de junho de 2020 - 11:47

    O Brasil de hoje realmente a cada dia surpreende mais. quando imaginamos que tudo de possível aconteceu e não haveria mais nada a ser criado, uma notícia bomba cai em nossos colos. A política se tornou palco de discussões acalorados dos mais diversos assuntos, tudo em razão da polarização que vivem as pessoas. 

    Desde o início da pandemia o Presidente da República defende firmemente o uso da cloroquina, o que na minha humilde opinião não consigo entender, pois ele não é médico, nem farmacêutico, nem me parece um autodidata em fármacos, mas mesmo assim defende e procura aliados de sua teoria em todos os campos, inclusive militares, mas isso seria matéria de outro artigo. A opinião do líder da nação fez cair dois ministros da saúde, inclusive o último que até parecia concordar, pois externou posição de que esta droga poderia ser ministrada mediante acompanhamento médico.Até este ponto me parece correto. Mas nosso chefe do executivo federal quer o uso os primeiros sintomas e, sem acompanhamento médico.  Resumindo, se eu tenho os sintomas da COVID-19, mesmo sem confirmar o diagnótico, posso me dirigir a uma farmácia e comprar e começar a me automedicar. Não sei nem o que dizer. Continuamente vemos propagandas sobre o automedicamento, seus perigos e consequências, mas agora em razão da pandemia, recomendar-se-á, em um decreto que deve estar em vias de publicação, a recomendação da ingestão do remédio para o tratamento do coronavírus. Acredito, que não foi publicado porque nenhum médico quer assinar o decreto em razão das consequências perante o Conselho Federal de Medicina.

    Por falar em consequências, o governo criou uma excludente de ilicitude, que não é criminal, mas cível e administrativa, para blindar os administradores públicos que tomem decisões erradas, sem dolo (sem intenção), que causem mortes ou danos, durante a pandemia.  Será que o Presidente deseja se blindar diante do decreto da cloroquina que ele avaliza enquanto batemos recordes de mortes diárias? Difícil afirmar, mas que parece, parece …

    O texto inicial da medida provisória vem assim redigido MP(966/2020)

Art. 1º  Os agentes públicos somente poderão ser responsabilizados nas esferas civil e administrativa se agirem ou se omitirem com dolo ou erro grosseiro pela prática de atos relacionados, direta ou indiretamente, com as medidas de:

 

I – enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da pandemia da covid-19; e

 

II – combate aos efeitos econômicos e sociais decorrentes da pandemia da covid-19.

 

  • 1º  A responsabilização pela opinião técnica não se estenderá de forma automática ao decisor que a houver adotado como fundamento de decidir e somente se configurará:

 

I – se estiverem presentes elementos suficientes para o decisor aferir o dolo ou o erro grosseiro da opinião técnica; ou

 

II – se houver conluio entre os agentes.

 

  • 2º  O mero nexo de causalidade entre a conduta e o resultado danoso não implica responsabilização do agente público.

 

    Grifei e sublinhei o trecho que fala que a responsabilidade técnica não se estenderá automaticamente ao gestor público se não comprovado o dolo de prejudicar. Analisemos. Primeiro, será que existe administrador público que tenha a intenção de prejudicar em suas decisões? Acredito que não. Segundo, será que o Presidente, muito bem intencionado com a cloroquina, não deseja se blindar na hipótese de sua idéia causar mais mortes que salvar? Infelizmente, tenho lido que pacientes com COBID-19 tem morrido por ataque cardiaco quando administrada a cloroquina.

    As respostas a estas perguntas virão nas próximas semana, ou melhor, nos próximos dias, em meio ao vídeo da reunião ministerial, mas um ponto afirmo, estou reaprendendo direito com as notícias de jornal.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.