Marc Sousa
Fala Marc!

Por Marc Sousa

Política
Marc Sousa

‘Se ele foi frouxo e covarde de sair do MDB, problema é dele’, diz Anibeli, sobre Requião

Imediatamente após o adeus de Requião ao MDB, dois partidos iniciaram um “flerte” com o político, na intenção de chegarem ao comando do governo estadual na eleição de 2022

‘Se ele foi frouxo e covarde de sair do MDB, problema é dele’, diz Anibeli, sobre Requião
(Foto: Divulgação)

31 de julho de 2021 - 20:40 - Atualizado em 31 de julho de 2021 - 20:47

O ex-governador Roberto Requião (agora ex-MDB) perdeu o comando do partido ao qual é filiado há 40 anos. Ele foi derrotado durante a convenção partidária do MDB, que ocorreu neste sábado (31), pelo deputado estadual Anibelli Neto, que teve 76% dos votos dos delegados do partido. Após a derrota, Requião anunciou sua saída da sigla nas redes sociais:

Por 30 anos, o MDB, que é um dos maiores partidos do Paraná e tem grande influência no jogo político, foi comandado por Requião ou algum de seus familiares, como irmãos, sobrinhos, ou ele próprio. No Paraná, a legenda estava desde fevereiro com uma comissão provisória, sob comando do deputado federal Sérgio Souza. Requião tentava, desde então, voltar ao comando do partido. É agora é a primeira vez, em definitivo, que a legenda não tem um dos Requião na liderança.

“Problema dele”

O vencedor da convenção, agora presidente do MDB, Anibelli Neto, disse Requião é seu amigo há 20 anos, alguém que sempre teve muito respeito. Mas criticou a saída do “amigo” do partido.

“Ele devia ter a honradez e dignidade de ficar. Mas ele não quer. Se ele foi frouxo e covarde de sair do MDB, problema é dele“, disse o deputado, por telefone, na noite deste sábado.

Em entrevistas que deu anteriormente, o deputado negou que seu principal objetivo seja o alinhamento com o atual governador e disse que sua meta à frente do MDB é aumentar a base do partido e viabilizar a eleição de cinco a seis deputados estaduais e, ao menos, três federais.

Ele também disse que não tem interesse em ser candidato a governador ano que vem. “Mas se o partido entender que devo ser candidato, atenderei a vontade do partido”, disse o agora presidente da sigla, comemorando ainda o fato de que a legenda abriu espaço para novas lideranças.

Convites

Em entrevistas antes da convenção, Requião não escondeu que o seu principal objetivo era reassumir o comando do partido, para ser candidato em 2022 ao governo do Paraná, em oposição à gestão de Ratinho Júnior. Apesar de tudo, os planos dele ainda podem estar em pé, visto que imediatamente após o anúncio dele de saída do MDB, outros partidos já iniciaram um “romance” com Requião e demonstraram que desejam usá-lo para chegar ao comando do governo estadual ano que vem. Entre eles estão PT e PSB.

Gleisi Hoffmann, presidente do PT-PR, não declarou isso diretamente. Mas prestou solidariedade, já que Requião mostrou simpatia à causa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pouco antes dele ser preso pela Operação Lava Jato:

Ele também recebeu apoio do deputado estadual Arilson Chioratto, liderança do PT na Assembleia Legislativa:

Quem também convidou Requião para ingressar em sua legenda foi a deputada federal pela Bahia, Lídice da Mata (PSB).

Apesar da simpatia que a baiana tem pelo ex-governador, não são todos os integrantes do PSB no Paraná que pensam como ela. O presidente do partido aqui no estado, Severino Araújo, declarou que “Convidado meu, ele não é”.

Reveja o Jornal da Manhã, da Jovem Pan, da última sexta-feira (30), que falou da convenção partidária do MDB: