Notícias

Manifestantes se reúnem em ato contra corrupção e governo Dilma em Curitiba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

13 de março de 2016 - 00:00 - Atualizado em 13 de março de 2016 - 00:00

Bandeiras, faixas e cartazes pedem pelo fim da corrupção (Foto: Maurício Freire/RICTV Record)

Segundo a PM, cerca de 100 mil pessoas participam do ato no Centro da capital paranaense na tarde deste domingo (13).

Milhares de manifestantes se reúnem na tarde deste domingo (13) na Praça
Santos Andrade, no Centro de Curitiba, no protesto contra a presidente da República, Dilma Rousseff 
(PT), o ex-presidente Lula e o Partido dos Trabalhadores (PT).
De acordo com a Polícia Militar (PM), cerca de 100 mil pessoas participam do ato.

A manifestação, na capital paranaense,
ocorre na Praça Santos Andrade, Rua XV de Novembro e Boca Maldita, no Centro da
cidade. Por volta das 14h, várias pessoas desfilavam pelas ruas da cidade com cartazes e faixas que 
pedem, principalmente, pelo impeachment da presidente Dilma. Há também alguns grupos que manifestam apoio às investigações da Operação Lava Jato, ao juiz Sérgio Moro e ao combate à corrupção.

A Polícia Militar do Paraná (PM-PR) preparou um esquema de segurança para o ato na capital paranaense. A coordenação é do 12º Batalhão e, segundo o comandante da unidade, tenente-coronel Antônio Zanatta Neto, será garantido o direto à manifestação, mas inibidos atos de vandalismos e depredação do patrimônio público.

Atos no Paraná
Em Foz do Iguaçu, na região oeste do Paraná, o protesto começou por volta das 9h e terminou ao meio-dia. Os manifestantes se reuniram na Praça do Mitre, no centro da cidade. De acordo com a organização do ato, cerca de sete
mil pessoas participaram do protesto. Em Maringá, na região norte do estado, o ato começou por volta das 13h. Já nas cidades de Cascavel, Toledo e Londrina, a manifestação está prevista para começar às 15h. A Polícia Militar não registrou nenhuma ocorrência nestes locais.

Atos em todo o país
Os protestos estão programados para ocorrer em 415 cidades do país, conforme o Movimento Vem pra Rua. No sábado (12), a presidente falou que
as manifestações contra seu governo devem ser tratadas “com todo respeito”.
Dilma também pediu para que os protestos ocorram em paz, sem violência ou
vandalismo. “Não acho que seja cabível, e acho que é um desserviço para o
Brasil, qualquer ação que constitua provocação, violência e atos de vandalismo
de qualquer espécie. Então, eu faço um apelo pela paz e pela democracia”.

Apoio ao PT
No início da tarde deste domingo, manifestantes se reuniram em frente ao prédio onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mora, em São Bernardo, São Paulo. Ao contrário dos atos que ocorrem nas cidades brasileiras, os presentes protestam em apoio ao ex-presidente. 

Na sexta-feira (12), o Partido dos
Trabalhadores do Paraná (PT-PR) divulgou uma nota orientando os militantes a
não saírem às ruas neste domingo para o enfrentamento com as forças da direita.
O partido pediu ainda que os militantes protestem via redes sociais.

Vídeo mostra grupos de pessoas se dirigindo ao local da concentração, no Centro de Curitiba.