Política

CMC vota neste sábado prorrogação de contrato de profissionais de saúde

Sessão é em caráter de máxima urgência, para que a capital não fique sem profissionais de saúde na linha de frente da Covid-19

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações da CMC
CMC vota neste sábado prorrogação de contrato de profissionais de saúde
Foto: Rodrigo Fonseca/CMC

26 de março de 2021 - 21:11 - Atualizado em 27 de março de 2021 - 08:59

Em sessão extraordinária neste sábado, às 11 horas, a Câmara Municipal de Curitiba (CMC) discute o regime de urgência à mensagem do Executivo para prorrogar contratos de trabalho temporários de enfermeiros e de técnicos de enfermagem. Contratados no segundo semestre de 2020, eles reforçam as equipes da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) no enfrentamento à pandemia da Covid-19. O projeto foi protocolado nessa quinta-feira (25) e pretende autorizar, em caráter excepcional, a atuação desse profissionais por até mais 6 meses.

Assinada pelo prefeito Rafael Greca, a justificativa da proposta diz que os enfermeiros e técnicos contratados emergencialmente via processo seletivo simplificado (PSS), sob o regime instituído pela lei municipal 15.455/2019, “já estão ambientados, capacitados e [são] conhecedores dos fluxos e protocolos assistenciais” da SMS. “Se substituídos, teremos que promover o processo de capacitação e adequação da nova força de trabalho. E todos sabemos que a pandemia exige que sejamos ágeis e efetivos”, aponta o texto.

Outro argumento é que a lei que dispõe sobre o PSS autoriza os contratos temporários por até 12 meses. O Executivo também afirma que naquele momento, quando os editais 1 e 2 de 2020 previram as contratações por até 6 meses, a pandemia parecia “caminhar para a situação de controle”, mas que “essa nova cepa, que responde por grande parte das infecções atuais, tem características de maior facilidade de contágio, celeridade na evolução da doença e, lamentavelmente, letalidade”.

Regime de urgência

O requerimento de urgência foi protocolado pelo líder do prefeito na Casa, Pier Petruzziello (PTB). Outros 13 vereadores assinam a proposição: Beto Moraes (PSD), Hernani (PSB), Leonidas Dias (Solidariedade), João da 5 Irmãos (PSL), Jornalista Márcio Barros (PSD), Marcelo Fachinello (PSC), Mauro Bobato (Pode), Mauro Ignácio (DEM), Nori Seto (PP), Pastor Marciano Alves (Republicanos), Sidnei Toaldo (Patriota), Tico Kuzma (Pros) e Toninho da Farmácia (DEM).

Se aprovado o regime de urgência, as comissões permanentes da Câmara de Curitiba têm três dias úteis para se manifestarem sobre o projeto de lei – ou seja, entre segunda (29) e quarta-feira (31). Conforme o artigo 168 do Regimento Interno, depois desse prazo é que a matéria poderá ser incluída na ordem do dia, para os dois turnos de votação em plenário.

Como o regime de urgência não é um projeto de lei, o requerimento entra na segunda parte da ordem do dia, junto às indicações ao Executivo e outras proposições sujeitas à deliberação em plenário. A votação ocorre em turno único e simbólico, sem o registro no sistema eletrônico.

A convocação foi realizada, nesta sexta-feira (26), pelo presidente da Casa, Tico Kuzma (Pros).

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.