Política

Bolsonaro oficializa indicação de André Mendonça ao STF

Mendonça, que também é pastor da Igreja Presbiteriana Esperança, em Brasília, é o nome “terrivelmente evangélico” que Bolsonaro vinha prometendo indicar ao Supremo desde seu primeiro ano de mandato em 2019

Reuters
Reuters
Bolsonaro oficializa indicação de André Mendonça ao STF
Advogado-geral da União, André Mendonça

13 de julho de 2021 - 08:28 - Atualizado em 13 de julho de 2021 - 08:40

SÃO PAULO (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro oficializou a indicação do ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça, à vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello.

A mensagem ao Senado com a indicação de Mendonça para o cargo foi publicada na edição desta terça-feira (13) do Diário Oficial da União. Caberá aos senadores aprovarem ou rejeitarem a indicação.

Mendonça, que também é pastor da Igreja Presbiteriana Esperança, em Brasília, é o nome “terrivelmente evangélico” que Bolsonaro vinha prometendo indicar ao Supremo desde seu primeiro ano de mandato em 2019 e a segunda indicação à corte feita pelo atual presidente. No ano passado, Bolsonaro indicou e o Senado aprovou o nome do atual ministro Nunes Marques.

Em nota, Mendonça fez vários agradecimentos pela indicação, entre eles a Bolsonaro, a Deus e “aos líderes evangélicos, parlamentares, amigos e todos que têm me apoiado”.

“Coloco-me à disposição do Senado Federal. De forma respeitosa, buscarei contato com todos os membros, que têm a elevada missão de avaliar meu nome. Por fim, ao povo brasileiro, reafirmo meu compromisso com a Constituição e o Estado Democrático de Direito. Deus abençoe nosso país!”, escreveu.

Na segunda, ao afirmar que formalizaria a indicação de Mendonça, Bolsonaro disse que pediu a ele que, caso chegue ao STF, abra a sessão da corte uma vez por semana com uma oração.

Entre os ministros do Supremo atualmente, há católicos –casos de Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, entre outros– e dois judeus –Luís Roberto Barroso e o presidente da corte, Luiz Fux.

A indicação de Mendonça chega ao Senado em um momento de tensão entre a Casa e o presidente, após ataques de Bolsonaro à CPI da Covid e declarações dele que colocam em dúvida a realização das eleições do ano que vem caso o Congresso Nacional não aprove a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto impresso.

Mendonça, de 48 anos, é funcionário de carreira da AGU e no comando do órgão, que assumiu em janeiro de 2019, foi um ferrenho defensor das medidas do governo Bolsonaro. Também atuou como ministro da Justiça e Segurança Pública entre abril de 2020 e março deste ano, quando voltou ao comando da AGU.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.