Política

Avaliação negativa de Bolsonaro aumenta, aponta pesquisa

Segundo a sondagem, subiu de 35% para 40% a fatia dos entrevistados que consideram o presidente Jair Bolsonaro “ruim ou péssimo”

Reuters
Reuters
Avaliação negativa de Bolsonaro aumenta, aponta pesquisa
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília

18 de janeiro de 2021 - 14:41 - Atualizado em 18 de janeiro de 2021 - 15:08

A avaliação negativa do governo de Jair Bolsonaro, assim como a percepção de sua atuação no combate à crise do coronavírus, pioraram em janeiro, apontou pesquisa XP/Ipespe divulgada nesta segunda-feira.

Segundo a sondagem, subiu de 35% para 40% a fatia dos entrevistados que consideram o governo “ruim ou péssimo”, patamar semelhante ao verificado em abril do ano passado, no início da pandemia. Aqueles que consideram o governo “ótimo” ou “bom” passaram a 32%, contra os 38% verificados em dezembro.

De acordo com a pesquisa, essa é a primeira ocasião, desde julho de 2020, em que a avaliação negativa supera a positiva.

O movimento de queda na popularidade segue a linha da piora, entre os entrevistados, na percepção sobre a atuação de Bolsonaro no combate ao coronavírus.

Para 52%, a atuação nesse quesito é “ruim” ou “péssima”. Em dezembro, eram 48%. Os que avaliam a atuação como “ótima” ou “boa” passaram de 26%, em dezembro, para 23% em janeiro.

Sobre a polêmica em torno da imunização, 69% dos entrevistados responderam que irão se vacinar “com certeza”. Outros 11% disseram que não irão se vacinar “com certeza”, enquanto 18% informaram que podem ou não tomar a vacina.

Segue a tendência de aumento a parcela dos que consideram que “o pior ainda está por vir” na crise do coronavírus. Se em dezembro foram registrados 48%, agora em janeiro esse patamar passou a 56%. Antes, 43% consideravam que “o pior já passou”. Na rodada de janeiro, foram contabilizados 36% entre os que têm essa avaliação.

A pesquisa também abordou eventual retomada do auxílio emergencial: 50% defendem que o governo recrie benefício semelhante por mais alguns meses.

A XP/Ipespe entrevistou 1.000 pessoas em todos os estados brasileiros entre 11 e 14 de janeiro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0H12H-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.