Notícias

Após soltura de ex-presidente, namorada de Lula pede demissão da Itaipu

Rosângela trabalhou por quase 15 anos na empresa e tinha um salário de R$ 20 mil

Mirian
Mirian Villa

14 de novembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 14 de novembro de 2019 - 00:00

A namorada de Lula, a socióloga Rosângela da Silva, popularmente conhecida como Janja, aderiu ao programa de demissão voluntária e antecipou sua saída da Itaipu. Rosângela trabalhou por quase 15 anos na empresa e tinha um salário de R$ 20 mil.

Namorada de Lula deixa Itaipu e salário de R$ 20 mil

De acordo com a superintendente de comunicação da Binacional, foi acertado o desligamento oficial da namorada de lula da companhia para o dia 2 de janeiro. Até lá, ela vai usufruir de férias e dias de bonificação que tem direito.

A situação de Rosângela da Silva estava indefinida desde que, ao assumir o comando da companhia no Governo Bolsonaro, o General Joaquim Silva e Luna decidiu fechar o escritório em Curitiba, onde a socióloga trabalhava.

Os 120 funcionários lotados na Capital serão transferidos para Foz do Iguaçu até 31 de janeiro de 2020. A namorada de Lula não havia informado à direção da Binacional se pretendia ser ou não transferida para o oeste do Paraná.

Quem é Rosângela da Silva, conhecida como ‘Janja’?

A socióloga Rosângela Silva, de 40 anos, é namorada de Lula e a descoberta do relacionamento tem causado alvoroço nas redes sociais. O relacionamento amoroso de Lula e Rosângela é anterior à prisão do ex-presidente em 2018, mas seu nome só veio à tona depois que o jornalista Guilherme Amado revelou em sua coluna na revista Época.

Janja, como é chamada pelos amigos, trabalha no escritório da estatal Itaipu Binacional em Curitiba e visita o ex-presidente e namorado frequentemente na superintendência da Polícia Federal.

Conforme dirigente do Partido dos Trabalhadores (PT), os dois se conhecem há cerca de 10 anos, mas a aproximação do casal Lula-Rosângela ocorreu durante caravana pela região sul do país.

Rosângela é a primeira namorada de Lula depois da morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia, em fevereiro de 2017.