Política

Após polêmica, Rafael Greca retira multa de projeto sobre distribuição de comida para moradores de rua

Na segunda-feira (5), a Câmara Municipal de Curitiba aprovou a realização de uma audiência pública para debater o projeto de lei

Daniela
Daniela Borsuk com Prefeitura de Curitiba
Após polêmica, Rafael Greca retira multa de projeto sobre distribuição de comida para moradores de rua
(Foto: Daniel Castellano / SMCS)

6 de abril de 2021 - 14:01 - Atualizado em 6 de abril de 2021 - 15:59

Após a polêmica sobre o projeto de lei ordinária (proposição 005.00103.2021), na qual o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, propôs multar quem distribuísse comida para moradores de rua e pessoas em vulnerabilidade social, a Prefeitura de Curitiba informou, nesta terça-feira (6), que enviou um substitutivo para a Câmara Municipal da cidade.

De acordo com a prefeitura, a intenção era fazer melhorias da segurança alimentar na distribuição de alimentos preparados para consumo para população mais vulnerável, mas que o texto foi mal interpretado. Diante da repercussão do projeto, uma das mudanças propostas agora retira a multa, prevista para ser de R$ 150 a R$ 550.

Na segunda-feira (5), a Câmara Municipal de Curitiba aprovou a realização de uma audiência pública para debater o projeto de lei que pretende instituir o programa Mesa Solidária e regulamentar a distribuição de alimentos na capital, marcada para o dia 22 de abril.

Ainda conforme a prefeitura, o projeto permite melhores condições de inserção desses grupos na estrutura de apoio social do município, de forma a oferecer a todos oportunidades de desenvolvimento e recuperação pessoal, por meio de programas de assistência e resgate social realizados pelo município.

De acordo com o secretário municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Luiz Gusi, o novo texto retira alguns itens que geraram arestas de compreensão, dando margem a interpretações que se sobrepuseram, no debate sobre o tema, às principais medidas do projeto.

Organização e segurança na distribuição

Gusi reforça que o projeto contribui para organizar o trabalho de distribuição dos alimentos preparados para consumo, baseando-se em princípios de ação e responsabilidade social responsável de todos em atender os princípios corretos de boas práticas na manipulação de alimentos.

“Estamos propondo um marco regulatório que estabelece bases para garantir eficiência e adequação para atendimento aos princípios corretos de boas práticas de manipulação, transporte e servimento dos alimentos”, diz Gusi.  

“Estamos trabalhando há 14 meses nos três espaços do Mesa Solidária. O objetivo é ampliar a ação conjunta e integrada de um grande ecossistema social, por meio da ampliação de parcerias com instituições e pessoas que estejam dispostas a contribuir com o enfrentamento de um problema que aflige pessoas em vulnerabilidade social, que foi agravada pelo pandemia”, completa.

Conforme a prefeitura, a proposta é fruto da identificação nos últimos meses de situações que pedem atenção por parte do gestor público. Tais como: ausência atual de parâmetros organizacionais nas atividades exercidas por entidades particulares; divergências frequentes de distribuição atual, ora exagerada em certos pontos, ora com carência de oferta em outros, o que gera desperdício ou escassez de alimentos; nos casos de oferta exacerbada resultam em acúmulo de resíduos orgânicos e rejeitos na vias públicas, contribuindo para proliferação de pragas e vetores urbanos – ou seja, aumentando os riscos à saúde da população em situação de rua; da necessidade de protocolos, informação e capacitação em boas práticas de manipulação de alimentos, cuja ausência pode acarretar riscos a um grupo populacional já exposto a agravos de saúde.

Objetivos da proposta

  • Promover regularidade no acesso à alimentação com qualidade e em quantidade suficiente;
  • Reduzir o desperdício de alimentos e da fome;
  • Construir práticas alimentares promotoras de saúde, ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis;
  • Atender à população em situação de vulnerabilidade e risco social, contemplando a população em situação de rua, de forma organizada, por meio da da conjugação de esforços para o fornecimento de alimentação e, consequentemente, o resgate e a emancipação do indivíduo;
  • Disponibilizar novos espaços sanitariamente adequados para a alimentação;
  • Incrementar e promover acesso a políticas públicas existentes.

O programa estabelece que será incentivada a atuação intersetorial, conjunta, integrada e articulada entre órgãos e entidades da Prefeitura, pessoas físicas e jurídicas públicas ou privadas, Organizações da Sociedade Civil (OSC´s), entidades religiosas, educacionais e sociais do Programa Mesa Solidária.

Isso será feito por meio de um cadastro simplificado, cujo objetivo é melhor conhecer e integrar o ecossistema social existente.

O projeto não se aplica a ações de doação executadas individualmente, que não visem o atendimento coletivo. Gusi esclarece que a proposta, portanto, não afeta o ato de doações pontuais, feitas por exemplo, por pessoas durante seus deslocamentos habituais pela cidade.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.