Notícias

Polícia prende falso médico dentro de hospital no Batel em Curitiba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

20 de junho de 2016 - 00:00 - Atualizado em 20 de junho de 2016 - 00:00

Com o suspeito a polícia apreendeu um diploma falso de medicina de uma universidade da Bolívia. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Suspeito de 44 anos dizia ser médico residente em cardiologia para enganar pacientes

Um homem de 44 anos foi preso dentro de um hospital no bairro Batel, suspeito de se passar por médico residente em cardiologia na última sexta-feira (17). O flagrante aconteceu no momento em que o suspeito transitava pelo local. A ação foi realizada por policiais civis da Delegacia do Estelionato (DE) de Curitiba. 

O suspeito estava sendo investigado há quatro meses. Com ele, a polícia apreendeu um diploma falso do curso de medicina de uma universidade de Cochabamba, na Bolívia, além de outros objetos como jaleco e estetoscópio. 

“Após receber informações de que essa pessoa se passava por médico nós iniciamos as investigações e constatamos a fraude”, explica o delegado-titular da DE, Wallace de Oliveira Brito completando que “a delegacia entrou em contato com a instituição de ensino que confirmou a suspeita da polícia”. 

O delegado relata ainda que a especializada já vinha investigando golpes ocorridos em hospitais de Curitiba e Região Metropolitana, onde o foco dos estelionatários é o desfalque financeiro de familiares de pessoas internadas nas unidades de Terapia Intensiva (UTIs). “Com o pretexto de medicar o paciente com medicamentos que o hospital não possuí, estes estelionatários induzem a vítima a depositar valores para esse fim”, explica.

O homem que já possui passagens pela polícia responderá pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica e documental, como também exercício ilegal da medicina. Ele aguarda preso à disposição do Poder Judiciário.

Em nota, o Conselho Regional de Medicina do Paraná manifesta que é responsabilidade de qualquer instituição médica certificar-se da regularidade da inscrição de cada profissional antes de recrutar seus serviços, exigindo-se a coleta dos originais dos documentos comprobatórios para o exercício da atividade. A ausência de registro no CRM-PR caracteriza exercício ilegal da profissão, sendo que a direção técnica de serviço de saúde pode vir a responder eticamente por eventual omissão na contratação. Dessa maneira, não sendo médico ou não dispondo de registro, o infrator fica sujeito às sanções penais previstas em lei, como falsidade ideológica e documental, estelionato e exercício ilegal da profissão, com o procedimento ficando a cargo da Polícia Judiciária. A regularidade de médicos pode ser conferida por qualquer cidadão no Portal do Conselho – www.crmpr.org.br -, também com orientações de como denunciar falsos médicos ou maus profissionais.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.