Notícias

Polícia divulga retrato falado de suspeitos de estupro em universidade

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

8 de maio de 2017 - 00:00 - Atualizado em 8 de maio de 2017 - 00:00

O telefone da Delegacia da Mulher já disponível para denúncias. Confira o número abaixo (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A vítima do estupro procurou a Delegacia da Mulher 15 dias após o crime e realizou o retrato falado

A Polícia Civil, através da Delegacia da Mulher (DM) de Curitiba, divulgou, no fim da manhã desta segunda-feira (8), o retrato falado de dois suspeitos de estuprar uma jovem, de 19 anos, dentro do campus de uma universidade em Curitiba.

Um inquérito policial já foi instaurado pela DM, que está realizando as investigações necessárias para apuração dos fatos e identificação dos suspeitos. A Polícia Civil também informou que está atrás de imagens que possam auxiliar nas investigações. 

Quem tiver alguma informação que possa levar aos suspeitos pelo abuso sexual pode entrar em contato com a polícia pelo telefone: (41) 3219-8600.

O caso

Segundo o boletim de ocorrência, registrado na última quarta-feira (3) na Delegacia da Mulher da Capital, uma jovem de 19 anos teria sido abordada por dois homens que a seguraram e a arrastaram para trás de arbustos, onde cometeram o estupro.

De acordo com o depoimento da vítima, o crime teria acontecido por volta das 21 horas do dia 18 de abril, em uma área escura, próximo ao rio que tem dentro da faculdade. Um dos estupradores chegou a colocar um pano sobre a boca da estudante para que ela não gritasse, relatou a vítima.

A universidade divulgou uma nota sobre o caso; leia a íntegra:

“No dia 3 de maio, a instituição recebeu um relato de uma aluna referente a uma ocorrência que teria acontecido em 18 de abril. Orientada, a estudante procurou a polícia, e os eventos narrados estão sendo apurados pelos órgãos competentes, com colaboração da universidade.

O momento é de investigação policial, no qual é importante evitar boatos, especulações e qualquer atitude que atrapalhe o trabalho dos órgãos competentes. A faculdade está colaborando ao máximo com as autoridades para o esclarecimento dos fatos, assim como prioriza o acolhimento e o atendimento à aluna e sua família neste momento difícil.

A universidade informa ainda que criou um comitê para estudar possibilidades de melhoria em toda a estrutura de segurança, do qual participarão especialistas e representantes de alunos e funcionários da instituição. As portas e os canais estão abertos para acolhimento e pleno apoio aos alunos e às famílias, tanto via nossos professores e coordenadores como pela ouvidoria da instituição”.

Veja também

Menores estupram adolescente grávida e matam namorado degolado

Família soube de estupro coletivo de menina de 12 anos por vídeo

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.