Notícias

Queiroga anuncia assinatura de contrato com Pfizer para 100 milhões de doses de vacinas

A nova remessa de 100 milhões deve chegar ainda neste ano ao Brasil

Reuters
Reuters
Queiroga anuncia assinatura de contrato com Pfizer para 100 milhões de doses de vacinas
Ministro da Saúde no Senado

14 de maio de 2021 - 13:15 - Atualizado em 14 de maio de 2021 - 13:22

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que foi assinado nesta sexta-feira o contrato entre o Ministério da Saúde e a Pfizer para o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica norte-americana com a alemã BioNTech.

A confirmação da assinatura do acordo, que Queiroga vinha dizendo ser iminente, foi feita pelo ministro em evento de vacinação contra o coronavírus de atletas que disputarão a Olimpíada de Tóquio deste ano.

O acordo assinado nesta sexta é o segundo do governo brasileiro com a Pfizer. Já existe um primeiro contrato também para 100 milhões de doses da vacina, que devem ser entregues até o final de setembro.

Queiroga acrescentou que essa nova remessa de 100 milhões deve chegar ainda neste ano ao Brasil e permitirá a imunização de toda a população adulta do país em 2021.

“É mais um acordo com a Pfizer com as 100 milhões sendo entregues ainda neste ano. Já 30 milhões a partir de setembro”

disse o ministro da saúde.

A expectativa é conseguir também mais doses do consórcio Covax Facility, liderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2021.

“Estamos recebendo aquém do que deveríamos e esperamos mais doses que foram pactuadas para impulsionar ainda mais a campanha de imunização”,

afirmou Queiroga.

Queiroga disse ainda que o acordo de transferência de tecnologia entre a AstraZeneca e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para a produção 100% nacional da vacina contra Covid-19 que a farmacêutica desenvolveu com a Universidade de Oxford está na iminência de ser assinado.

“Temos que ter confiança nas autoridades sanitárias do país que vamos cumprir os compromissos formados com a sociedade brasileira”

disse.

O ministro disse ainda que está à disposição da CPI da Covid, caso os senadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito decidam convocá-lo novamente para prestar depoimento. Alguns parlamentares levantaram essa possibilidade por considerarem que o depoimento do ministro ao colegiado foi insuficiente.

“Vou de novo pela porta da frente e de cabeça erguida”

afirmou sobre a CPI.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4D0X0-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.