Mundo dos Pets

Seis erros mais comuns ao armazenar a ração dos pets

De acordo com  a especialista o recomendado é manter o alimento na própria embalagem e fechá-la muito bem. Nada de fechar a embalagem com pregador ou coisa parecida.

Pauline
Pauline Machado / Canal de Estimação Jornalista e diretora do @canaldeestimacao
Seis erros mais comuns ao armazenar a ração dos pets

22 de outubro de 2020 - 16:44 - Atualizado em 22 de outubro de 2020 - 17:08

No dia a dia há tutores que compram sacos de 10, 20 kg de ração. Muitas vezes é difícil termos espaço em casa para guardar os sacos de ração desses tamanhos e, então, guardamos as rações em potes ou caixas de plásticos. Mas, será que você armazena corretamente a ração do seu pet?

Como nosso objetivo aqui é manter você bem informado e o seu pet mais bem cuidado, fomos buscar as orientações corretas com quem entende do assunto.

A zootecnista da Universidade Federal do Paraná, Ananda Félix, conversou conosco com exclusividade e tirou nossas dúvidas.

De acordo com  a especialista o recomendado é manter o alimento na própria embalagem e fechá-la muito bem. Nada de fechar a embalagem com pregador ou coisa parecida.

Se o saco da ração for muito grande, como as embalagens de 10 ou 20 kg, por exemplo, e levar em torno de um mês para o consumo total, a orientação é  colocar parte do alimento em um pote bem vedado e escuro – não pode ser transparente ou ficar aberto, para ser utilizado no dia a dia. O restante da ração deve ficar bem vedado com fita adesiva na embalagem original e em local seco, arejado e sem incidência de luz solar. “Quando acabar a ração do pote menor, o tutor deve completá-lo novamente com a ração armazenada na embalagem original. Isso evita que o saco original da ração seja aberto várias vezes ao dia, todos os dias”, ressalta a zootecnista.

Malefícios à saúde causados pelo mal armazenamento da ração

Esses cuidados são muito importantes, pois, alimentos que são armazenados de forma errada comprometem a saúde dos pets.

Ananda Félix explica que “se o alimento for mal armazenado, ou seja, em local úmido, mal vedado e com luz, a ração poderá oxidar e crescer fungos que produzem micotoxinas, que são prejudiciais para a saúde dos animais”.

Ainda segundo a zootecnista, os tutores de cães e gatos ainda cometem erros muito  comuns quando o tema é a alimentação dos pets. No entanto, são erros que podem prejudicar muito a saúde dos animais.

De acordo com a especialista, os erros mais comuns são:

1 – Acreditar que podem cozinhar uma receita de dieta caseira da internet para seus pets. Este é o erro mais grave, pois mais de 90% das receitas da internet são desbalanceadas, comprometendo a saúde do animal;

2 – Dar alimentação em grandes quantidades;

3 – Fornecer alimentos de consumo humano, pois, alguns deles são tóxicos, em excesso desbalanceiam a dieta e fazem os pets engordarem;

4 – Misturar alimentos de consumo humano na ração;

5 – Não armazenar corretamente a ração;

6 – Escolher a ração apenas pelo teor de proteína ou pelas imagens bonitas do rótulo.

Para reverter esses erros é fundamental que os tutores procurem um Médico Veterinário, de preferência especialista em Nutrição Animal, ou um Zootecnista. Somente estes profissionais poderão orientar sobre a nutrição correta dos pets. “Os tutores devem fornecer a quantidade de ração indicada na embalagem, evitar petiscos em excesso e principalmente alimentos de consumo humano. Se desejar fornecer uma dieta caseira procure obrigatoriamente um profissional que receite a fórmula específica de acordo com o seu animal e siga exatamente a receita que ele passar”, reforça e finaliza a Zootecnista da UFPR.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.