Notícias

Pescas no Rio das Cinzas estão proibidas devido ao baixo nível da água

Pessoas que forem flagradas pescando ou carregando peixes nas redondezas dos locais proibidos serão penalizadas

Bruna
Bruna Melo / Repórter com informações da AEN
Pescas no Rio das Cinzas estão proibidas devido ao baixo nível da água
A pesca em todas as suas modalidades está proibida na Bacia Hidrográfica do Rio das Cinzas e de seus afluentes. A decisão, prevista na Portaria nº 242/2021, publicada nesta semana em Diário Oficial pelo Instituto Água e Terra (IAT), considera a proteção e a gestão integrada dos recursos ictiológicos existentes, frente ao período crítico de escassez hídrica. - Curitiba, 30/07/2021 - Foto: SEDEST

31 de julho de 2021 - 11:44 - Atualizado em 15 de junho de 2022 - 14:39

O Instituto Água e Terra (IAT) publicou a Portaria 242/2021 proibindo a pesca na bacia hidrográfica do Rio das Cinzas e seus afluentes, no norte do Paraná. O motivo é o baixo nível da água na escassez hídrica, sendo esta uma forma de proteção aos peixes e ao habitat deles. Neste rio, existe a captação de água para abastecer os moradores de Bandeirantes, Tomazina e Andirá.

A partir desta publicação, quem for flagrado transportando ou de posse de pescado in natura nas proximidades das áreas proibidas, sem a devida comprovação de origem, está sujeito à aplicação das penalidades previstas na Lei Federal 9.605/98 e no Decreto Federal 6.514/08.

A volta da pesca depende do aumento do nível dos rios ao ponto que permita a dispersão dos cardumes, conforme explica Álvaro César de Góes, gerente de Monitoramento e Fiscalização do IAT.

“Essa proibição foi necessária pela baixa quantidade de chuvas, a fim de evitar a mortandade de muitos peixes nativos através da pesca predatória. Um nível muito baixo dos rios, em comparação com a cota média, pode impedir a dispersão de cardumes e gerar inúmeros problemas para a fauna aquática”,

disse o chefe regional do IAT de Cornélio Procópio, João Carlos Ferreira.

A fiscalização será feita em conjunto pelo IAT, Ibama, Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde (BPAmb-FV) e polícias Civil e Militar.