Notícias

Pazuello diz que contaminação mais rápida do coronavírus pode surpreender gestores de saúde

Reuters
Reuters
Pazuello diz que contaminação mais rápida do coronavírus pode surpreender gestores de saúde
Pandemia de Covid-19 no Brasil

25 de fevereiro de 2021 - 18:47 - Atualizado em 25 de fevereiro de 2021 - 18:50

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira que a nova variante do coronavírus que circula no Brasil contamina três vezes mais do que as cepas anteriores do vírus, e destacou que a velocidade da transmissão pode pegar de surpresa os gestores de saúde.

“Nós temos novas cepas no Brasil, tivemos em Manaus uma nova linhagem da cepa, a P1, que foi extremamente agressiva em termos de contaminação, contaminando três vezes mais rápido do que os outros momentos da doença e esse vírus e essa cepa já faz parte do cotidiano”, disse.

“Na nossa visão estamos enfrentando uma nova etapa dessa pandemia, ela tem hoje o vírus, mutado, nos dá três vezes mais a contaminação e a velocidade com que isso acontece em pontos focais pode surpreender o gestor em termos de estrutura do apoio”, reforçou, em pronunciamento feito no Ministério da Saúde com representantes dos secretários estaduais e municipais da área.

O Brasil deve alcançar oficialmente nesta quinta-feira 250 mil mortes e já superou 10 milhões de infectados por Covid-19, tendo registrado uma elevação de casos e óbitos em fevereiro.

AÇÕES

O titular da Saúde disse que os gestores precisam estar “alertas” e “preparados” e citou três grandes ações para enfrentar a pandemia na “nova etapa”.

Uma das frentes, destacou, é o atendimento imediato das pessoas em unidades básicas de saúde. Outra frente é a estruturação da capacidade de leitos tanto clínicos quanto de UTIs. Por último, ele destacou a vacinação.

Segundo o ministro, entre 13 e 14 milhões de doses de vacinas já foram distribuídas aos Estados para aplicação nos grupos prioritários, e será possível vacinar metade da população que será imunizada até a metade do ano e a outra metade até o final do ano.

Pazuello disse que não há nenhuma frente que a pasta não tenha trabalhado para obter a vacina. Ele indicou apoio a uma proposta que foi aprovada pelo Senado na véspera e encaminhada para a Câmara a fim de facilitar a compra de imunizantes contra Covid-19 no Brasil.

Apesar da fala de Pazuello, o presidente Jair Bolsonaro já deu sinais de que pode vetar a proposta que amplia a possibilidade de compra de vacinas.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1O1M9-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.