Caroline
Caroline Berticelli / Editora

17 de setembro de 2019 - 00:00

Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:51

Notícias

Pai que fez filho gravar vídeo de adeus já havia tentando matar a criança

O homem jogou o carro em que estava com o filho contra uma carreta; ele não aceitava o fim do casamento com a ex-mulher

Pai que fez filho gravar vídeo de adeus já havia tentando matar a criança
Pai e filho morreram no acidente, na PR-445, em Londrina. (Foto:Reprodução/RIC Record TV)

O pai que fez o próprio filho gravar um vídeo de adeus, para a mãe, antes de jogar o carro onde os dois estavam contra uma carreta na PR-445, em Londrina, no norte do Paraná, já havia tentando matar o menino quando ele ainda era bebê. 

Segundo Portal IG, Érica Kuasne, de 36 anos, contou que quando o filho ainda era bebê, seu marido chegou bêbado, agrediu ela e tentou bater no filho. 

Antônio Alves, de 45 anos, e Matheus Gabriel Kuasne Oliveira, de 9 anos, morreram, na tarde desta sexta-feira (13), depois que homem causou o acidente. 

Pai que fez filho gravar vídeo de despedida era possessivo

Em entrevista à RIC Record TV, Érica explicou que viveu um relacionamento por cerca de 10 anos, entre idas e vindas, com Antônio. No entanto, após a última separação, há três anos, cansada da violência do companheiro, ela declarou que não tinha mais volta, começou a namorar e sair com os amigos, o que não foi aceito pelo ex-marido

Pai e filho morreram antes da chegada de socorro. (Foto:Reprodução/RICTV)

Como o homem era possessivo e violento, ela chegou a registrar inúmeras medidas protetivas contra o ex, mas segundo conta, nenhuma delas adiantou, por isso, acabou desistindo. 

“Eu também já fiz tanta medida protetiva e, infelizmente, nunca fizeram nada. Eu cansei, eu falei, deixa que eu resolvo. E a forma de eu tentar resolver era sempre conversar com ele e acalmá-lo. Então, passava a raiva, até vir o próximo momento de fúria. Quando ele via que eu tava feliz, tava vivendo, que eu tava tentando levar minha vida, ele aparecia de novo pra estragar tudo”, disse. 

Menino gostava do pai, mas tinha medo

Érica ainda explicou que o filho, apesar de ter medo do pai – que muitas vezes dava sinais de violência e costumava falava mal dela para a criança – amava Antônio e não podia ficar muitos dias sem vê-lo. 

Érica conversou com a RIC Record TV nesta terça-feira (17). (Foto: Reprodução/RIC Record TV)

Ela também conta que no dia da tragédia, o pai buscou o filho na escola para almoçar, levou ele de volta para casa, mas mudou de ideia e pegou o menino novamente. 

“Como eu não tinha restrição de deixar o Matheus, ele sempre teve acesso livre. Então, o Matheus chegou da escola, ele inclusive, pegou o Matheus na escola, almoçaram juntos e ele levou o Matheus lá pra casa, minutos depois, ele voltou e pegou o Matheus na casa de um amiguinho, na rua de cima”, conta. 

Criança foi torturada psicologicamente pelo pai

Foi então, que Antônio começou a mandar as mensagem ameaçando a ex-mulher de matar o filho, pois ela não aceitava reatar o relacionamento. 

“Você pensou que eu nunca ia tomar uma atitude, né? Então tá, já foi tomada e agora eu não volto mais. Só que que você saiba, isso aí é pra você aprender a ser mulher e outra coisa que eu vou falar pra você. Quero que você sinta muita saudade e toda vez que você estiver dançando, festando, você lembre dele”

Enquanto em outra, diz para ela rezar e pergunta se ainda quer ouvir a voz do filho pela última vez

“Tentei conversar. Tentei chegar num denominador comum. Não deu, né? Então faz assim ó…reza agora, reza, reza bastante, reza mesmo. Só vou te falar uma coisa, você quer ouvir pela última vez a vozinha ou não? [do filho]”. 

E torturou a criança, obrigando-a gravar o vídeo de despedida para a mãe: 

“Meu filho falava, oi mamãe, tô com saudades de você. Só que já tava com o olhinho todo vermelho, todo assustado”, contou Érica Kuasne.