Notícias

Homem afirma que seu pai estava no caixão que caiu de carro funerário em Curitiba

 O vídeo do caixão sendo recolhido da rua Anita Garibaldi, no bairro Barreirinha, viralizou nas redes sociais

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Homem afirma que seu pai estava no caixão que caiu de carro funerário em Curitiba
Foto: Reprodução

15 de setembro de 2020 - 14:56 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 15:31

Resumo da matéria

Um homem, que prefere não se identificar, declarou à RIC Record TV que seu pai estava dentro do caixão que caiu de um carro funerário em Curitiba no último sábado (12).

A situação foi filmada por uma testemunha e as imagens do funcionário da funerária recolhendo o ataúde na rua Anita Garibaldi, no bairro Barreirinha, viralizaram nas redes sociais. No vídeo, é possível ver que um desconhecido que passava pelo local viu a queda do caixão e ajudou o motorista a recolocá-lo no veículo.

A empresa funerária declarou que o caixão estava vazio, mas o homem explicou que pelo horário em que as imagens foram gravadas, pelo local e, principalmente, pelo fato do caixão de seu familiar ter apresentado algumas irregularidades inexplicáveis, ele não tem dúvidas de que seu pai vítima de um câncer estava lá.  

“A tampa do caixão não abriu e quando foi para colocar ele na gaveta, o fundo estava saindo. Estava descolando do caixão, a gente achou estranho, mas com esse negócio do coronavírus, a gente nem tocou”, contou. 

Ele pontuou que a família não pretende processar a funerária, mas espera que o caso sirva de lição para que os funcionários tenham mais cuidado na hora de transportar os entes queridos de seus clientes. Além disso, conforme conta, as piadas feitas nas redes sociais, em relação ao vídeo do caixão sendo recolhido do meio da rua, também deixaram todos entristecidos.

“Machuca tanto eu, como o pessoal da minha família que viu o vídeo e os comentários também. Eu acho que tem gente que não tem Deus no coração, que faz piadinha com a dor dos outros. Eu só quero que fique o alerta para as funerárias cuidarem mais, para as outras famílias não passarem a dor que a gente passou: de enterrar meu pai e ver o vídeo do caixão na rua”, desabafou. 

Assista à reportagem completa: