Coronavírus

Paciente que agrediu médico em UPA de Curitiba não estava com coronavírus

Lucas
Lucas Sarzi
Paciente que agrediu médico em UPA de Curitiba não estava com coronavírus

11 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:47

O paciente que agrediu um médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Sítio Cercado, em Curitiba, não estava com coronavírus. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde, nesta sexta-feira (10), que disse que o exame feito no homem foi negativo. Apesar disso, ele continua respondendo criminalmente por ter agredido o médico.

Internado com as suspeitas da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, até mesmo dificuldade de respirar, o paciente agrediu o médico Igor Kazuo quando recusou o atendimento que lhe seria oferecido. Segundo os relatos, o médico apenas tentava conversar com o paciente, que se negava a ser transferido para um hospital.

Conforme a Prefeitura de Curitiba, o homem tem histórico de transtorno mental. Ele recebeu alta hospitalar no fim da tarde de quinta-feira (9), depois da confusão que aconteceu um dia antes.

O homem desferiu um soco no rosto de Kazuo, deixando a face do médico coberta de sanguetanto dele como do paciente. Durante a confusão, os guardas municipais que fazem a segurança na unidade de saúde e uma equipe do Samu, que estava no local, correram para ajudar e conseguiram imobilizar o agressor. No entanto, fora de controle, ele ainda tentou cuspir em todos que estavam no local.

Polícia Civil elaborou um Termo Circunstanciado (TC) e o paciente vai responder pelos crimes em liberdade. Se condenado, a pena por ter infringido determinação do Poder Público é de um mês a um ano, além de multa. Já a de lesão corporal é de dois meses a um ano.