Notícias

Dois anos após crime, família de engenheiro cria outdoor para pedir justiça: “Ausência é irreparável”

Homem foi morto após uma discussão por causa de som alto

Guilherme
Guilherme Becker / Editor reportagem RIC Record TV, Curitiba
Dois anos após crime, família de engenheiro cria outdoor para pedir justiça: “Ausência é irreparável”
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

13 de maio de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:45

No próximo dia 20 de maio a morte do engenheiro Douglas Junckes completará dois anos. Com o principal suspeito pelo crime respondendo em liberdade, a família da vítima clama por justiça e nesta semana resolveu colocar um outdoor, no bairro Juvevê em Curitiba, onde aconteceu o crime. De acordo com as últimas informações do processo, o morador que desferiu os disparos irá a júri popular por homicídio simples.

Outdoor cobra justiça pela morte de engenheiro

O crime aconteceu em um domingo. Após chegar de viagem, o empresário Antônio Humia Dorrio foi até o apartamento do engenheiro Douglas Junckes e pediu para ele abaixasse o volume do som. Os dois iniciaram uma discussão, entraram em luta corporal e na sequência houve os disparos. 

No início deste ano, a defesa do empresário, que ficou menos de um mês preso, entrou com recurso para retirar as qualificadoras do homicídio e teve resultado positivo. Agora, Antônio Humia deve ser julgado por homicídio simples.

Indignados com a demora do processo e com o principal suspeito solto, os familiares resolveram colocar um outdoor na rua Alberto Folloni para pedir justiça. “É horrível. A nossa família está desolada, não há um sopro de vida. A gente queria que esse sujeito permanecesse no mínimo preso, para cumprir justiça”, contou Eduardo Regis Junkes, irmão da vítima.

engenheiro morto outdoor

Engenheiro estava se preparando para um tour pela Europa (FOTO: REPRODUÇÃO/ REDES SOCIAIS)

“A saudade que amigos e familiares sentem é imensa, sua ausência é irreparável”, está escrito no outdoor ao lado da foto de Douglas.

Confira mais informações:

Relembre o caso

O crime ocorreu no final da tarde de 20 de maio de 2018, um domingo, em um condomínio de classe média no bairro Juvevê, região nobre da capital paranaense. Na ocasião, o empresário, que vivia no 5º andar, foi armado até o apartamento de Douglas, no 4º andar, para reclamar do som alto. Houve uma discussão, os dois entraram em luta corporal e a vítima acabou atingida por três disparos: dois na cabeça e um no peito. O próprio acusado também foi ferido no braço por um tiro.

engenheiro morto

Douglas Junckes também era músico (FOTO: REPRODUÇÃO/ REDES SOCIAIS)

Douglas morreu dentro de seu próprio apartamento enquanto o empresário, mesmo com ferimento, dirigiu até o Hospital Cajuru para ser atendido. Ele foi preso em flagrante e encaminhado à delegacia logo após ser medicado. Ainda em junho de 2018, Antônio deixou a prisão.

Para a família da vítima a Justiça é a última esperança. “Nós queremos Justiça. A gente sofre todos os dias. É inesquecível, a saudade então é muito difícil”, disse o pai emocionado.

Em depoimento, Antônio afirmou que matou o vizinho para se defender. “Sem dúvidas, eu jamais queria que isso tivesse acontecido, mas eu tava lutando pra viver”, declarou.

No dia seguinte ao crime, a vítima embarcaria para um tour na Europa, com uma banda que participava.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.