Segurança

Polícia mira organização criminosa envolvida em tráfico e homicídios, no Parolin

Indivíduos estariam ameaçando moradores da região para que não contribuam com as investigações em andamento

Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora
Polícia mira organização criminosa envolvida em tráfico e homicídios, no Parolin
Foto: PCPR

29 de junho de 2020 - 07:35 - Atualizado em 29 de junho de 2020 - 07:48

Na manhã desta segunda-feira (29), a Polícia Civil do Paraná (PCPR) foi as ruas em uma operação que visa prender uma organização criminosa envolvida em crimes no Parolin, em Curitiba.

De acordo com a PCPR, a ação visa prender suspeitos de um homicídio consumado e outro tentado. O objetivo é cumprir 12 mandados judiciais, sendo quatro de prisão temporária e oito de busca e apreensão.

Organização criminosa Parolin: 65 policiais trabalham na ação

Para a ação, 65 policiais civis das áreas de investigação, inteligência e operações especiais fazem um cerco na região de atuação do grupo criminoso, onde estão sendo cumpridos os mandados.

Além disso, a polícia conta com a ajuda de cães farejadores para encontrarem drogas, armas e foragidos.

Conforme a PCPR, os alvos são indivíduos suspeitos de matarem Douglas dos Santos Rodrigues, de 20 anos, e na tentativa de homicídio contra uma segunda vítima, de 23.

Os crimes ocorreram no dia 3 de junho deste ano.

Durante as investigações, foi apurado que um dos suspeitos faz parte de uma organização criminosa envolvida com o tráfico na região do Parolin.

Foto: PCPR

Além disso, os indivíduos estariam ameaçando moradores da região para que não contribuam com as investigações em andamento.

Relembre o crime

Na data do crime, Douglas soltava pipa com um amigo quando quatro suspeitos em um Ford preto chegaram e realizaram diversos disparos.

Os tiros atingiram a cabeça, tórax, costas e demais partes do corpo de Rodrigues, que foi a óbito no local.

O outro rapaz também foi atingido, mas sobreviveu.

Nas investigações, a PCPR apurou que a motivação do crime estaria relacionada com desavenças em relação ao tráfico de drogas no Parolin, em que Douglas Rodrigues não teria deixado que os criminosos utilizassem sua casa como ponto de venda de drogas.