Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

14 de maio de 2020 - 00:00

Atualizado em 14 de maio de 2020 - 00:00

Notícias

Nvidia entra no mercado de sistemas de assistência ao motorista

Por Jane Lanhee Lee e Stephen Nellis

(Reuters) – A Nvidia, cujos semicondutores são usados em data centers, carros autônomos e robôs, disse nesta quinta-feira que planeja entrar no mercado de tecnologia que ajuda carros com troca de faixa automatizada e outros recursos de assistência ao motorista.

A mudança, anunciada como parte da conferência anual da empresa de chips, representa uma mudança de direção para a Nvidia. Até agora, a empresa fornecia a principal tecnologia destinada a fabricar veículos autônomos que exigem computadores muito mais sofisticados.

Mas esses veículos, alguns dos quais são conhecidos como “robôs-táxis”, permanecem longe da adoção em massa. Mesmo antes do coronavírus atingir a economia mundial, montadoras como a General Motors e a Ford estavam diminuindo suas expectativas em relação aos carros autônomos.

Muitos dos recursos de assistência ao motorista que o novo sistema Nvidia permitirá, por outro lado, já estão disponíveis em veículos de ponta com tecnologia de fornecedores como a Mobileye, empresa israelense de propriedade da Intel.

Danny Shapiro, diretor sênior de automóveis da Nvidia, disse que a mudança de estratégia visa a atender às necessidades das montadoras que lutam pela manutenção de dois sistemas – o de assistência ao motorista, já disponível, e a tecnologia de direção autônoma para o futuro.

O novo sistema Nvidia significa que as montadoras poderão usar um sistema para ambos os recursos, poupando esforços de engenharia e usando parte da tecnologia autônoma para melhorar as funções de assistência ao motorista, disse Shapiro.

“Temos uma arquitetura única que permitirá à montadora abranger todos os níveis de automação em potencial que eles desejam fornecer e colocar esse sistema atualizável por software em cada veículo”, disse Shapiro.

A nova tecnologia autônoma da Nvidia usa o chip de processamento “Orin” que a empresa lançou em dezembro. Shapiro disse esperar que os veículos que usam o sistema possam iniciar a produção no início de 2023.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG4D1S9-VIEWIMAGE