Notícias

Nove pessoas são denunciadas pela morte de bebê após falta de combustível

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

28 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 28 de fevereiro de 2019 - 00:00

Menina foi internada com pneumonia em Mafra (Foto: Reprodução/Redes sociais)

A menina sofreu complicações por pneumonia e, pela demora de mais de 15 horas para ser transferida a (UTI) Infantil, acabou morrendo

Nove pessoas foram denunciadas por homicídio qualificado por motivo torpe e omissão na última segunda-feira (25) após a morte de uma criança de um ano e 20 dias em Mafra, em Santa Catarina. A decisão foi divulgada ontem (27).

Menina morre por falta de combustível em ambulância

A menina sofreu complicações por pneumonia e, pela demora de mais de 15 horas para ser transferida para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Infantil, acabou morrendo.  

Na época, a ambulância estava com falta de gasolina e também não tinham profissionais em ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para realizar o transporte. O pai da criança se propôs a fazer o abastecimento, mas isso não foi permitido pelas autoridades.

De acordo com o MP, a transferência da bebê tivesse sido feita enquanto ela tinha quadro estável, antes da ventilação mecânica. E se o transporte tivesse sido realizado de forma direta, os riscos de morte seriam mínimos.

A justiça quer descobrir quem foi o responsável pela demora na transferência da criança.Os citados terão 10 dias para apresentar defesa e indicar testemunhas. Quatro dos acusados são dirigentes, outros três são médicos regulares e dois são médicos socorristas.

Nove denunciados por morte de criança

A menina deu entrada no Hospital São Vicente de Paulo, em Mafra, na madrugada do dia sete de junho de 2017, com quadro de broncopneumonia e precisava de internação. A criança morreu no dia dez, três dias depois, pela falta de combustível e profissionais.

Na manhã do dia oito, a vítima conseguiu uma vaga na UTI do Hospital Infantil Jeser Amarante Faria, em Joinville, aproximadamente 130 quilômetros de Mafra. Segundo o MP, às 10h foi feito o primeiro contato com o Samu para fazer a transferência. Porém, o automóvel não foi disponibilizado pela falta de combustível.

Às 17h, o quadro clínico da menina piorou e ela precisou ser entubada. No final da noite, às 23h30, a transferência foi realizada, mas não havia combustível para chegar até Joinville. Em seguida, ela foi transferida para outra ambulância, chegando no hospital às 2h40 do dia nove de junho. A menina teve três paradas cardíacas no dia 10 de junho e morreu.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.