Notícias

‘Nem horror, nem terror’, diz Dória sobre polarização Lula x Bolsonaro

Até chegar como candidato pelo PSDB à presidência, Dória ainda tem outro desafios partidários internos a organizar; veja quais são eles

Giselle
Giselle Ulbrich
‘Nem horror, nem terror’, diz Dória sobre polarização Lula x Bolsonaro
(Foto: Rodrigo Sigmura)

13 de agosto de 2021 - 20:24 - Atualizado em 13 de agosto de 2021 - 20:35

O governador do estado de São Paulo, João Dória (PSDB-SP), esteve na RIC Record TV, em Curitiba, para uma entrevista exclusiva ao RIC Notícias, na noite desta sexta-feira (13). Já em pré-campanha para presidente, ele se colocou com uma terceira via nas eleições do ano que vem.

Mas não deve ser uma batalha simples, já que Dória tem vários desafios partidários internos a lidar nos próximos meses, nas convenções. O primeiro é que há outros três filiados à sigla almejando a eleição presidencial: Eduardo Leite (RS), o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-senador Arthur Vírgilio Neto (AM).

Marc Sousa, que também é colunista do RIC Mais, expôs mais um desafio ao governador durante a entrevista: um PSDB dividido entre Fernando Henrique Cardoso, amigo do também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o PSDB do Aécio Neves, que também já se aliou a Lula em eleição presidencial anterior. Mas durante a entrevista, Dória descartou tais alianças e se colocou como única opção do partido ano que vem.

“O PSDB é do Brasil e dos brasileiros, não é nem de A, nem de B. O PSDB é o partido que defende a vida, a saúde, o emprego, a educação, o meio ambiente, o desenvolvimento econômico. Não se pode viver nessa deflagração Lula x Bolsonaro. Nem horror, nem terror. Precisamos de paz. Precisamos de uma boa gestão para o Brasil, emprego, oportunidade, saúde, desenvolvimento”, disse o governador, durante e entrevista exclusiva.

Pesquisa eleitoral

Dória também foi questionado por Marc Sousa a respeito das pesquisas eleitorais, nas quais o governador ainda não “decolou” como candidato à presidência. Ele se mostrou calmo e confiante, dizendo que ainda há 14 meses até as eleições.

“Temos que dar tempo ao tempo. Os ansiosos padecem e ficam fora do jogo. Venci duas eleições por ter calma e planejamento. Em 2016, venci o PT do Lula, da Dilma e do Haddad. Em 2018 venci de novo os radicais do PT. Após as prévias do PSDB, quero disputar e vencer os radicais de extrema direita e os de extrema esquerda. Quer paz, harmonia e esperança aos mais jovens. Perdemos isso no Brasil”, rebateu o governador.

Dória ainda disse que está disposto a brigar com que for. “Eu bato nos dois (Lula e Bolsonaro). Eles querem defender interesses pessoais e partidários. Quero paz. Mas se precisar brigar, estou na briga”, disparou.

Assista à entrevista na íntegra: