Notícias

Músico é atacado com ovos por morador irritado no centro de Curitiba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

5 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 5 de fevereiro de 2019 - 00:00

O responsável foi preso depois de desacatar policiais, mas já foi liberado (Foto: Reprodução/RICTV Curitiba)

De acordo com ele, nesta segunda ele tocava na rua -contratado por um restaurante- quando foi surpreendido com o alimento vindo de um condomínio

Camilo Santos foi atacado com ovos enquanto trabalhava na Rua Marechal Deodoro, no centro de Curitiba, nesta segunda-feira (4). O responsável foi preso depois de desacatar policiais, mas já foi liberado.

Músico é atacado com ovos em Curitiba

Santos é de Goiás, mas viaja pelo país tocando saxofone. ‘Cantu’, como é conhecido, está há alguns dias em Curitiba. De acordo com ele, nesta segunda ele tocava na rua -contratado por um restaurante- quando foi surpreendido com o alimento vindo de um condomínio.

Segundo testemunhas, foram cerca de 10 ovos jogados em direção ao músico, acertando inclusive os pedestres que passavam pela região. “Primeira música que eu comecei a tocar, passou um rapaz que resmungou alguma coisa do tipo: não vai tocar aqui hoje não. Ele não me agrediu e não fez nada, só subiu para o condomínio. De repente, começou a chover ovo”, contou o jovem.

‘Cantu’ relatou que ficou triste com a situação, porque o alimento acertou pessoas que haviam parado para escutá-lo. “Acabou sujando várias pessoas, né?!”, conta entristecido.

Decreto Municipal 1.422/2018

Nesta teça-feira (5), o Ministério Público do Paraná ajuizou ação civil pública contra o Município de Curitiba e a Fundação Cultural de Curitiba com o objetivo de suspender a eficácia do Decreto Municipal 1.422/2018, publicado no final do ano passado, que trata da regulamentação das apresentações de artistas de rua na capital paranaense. O decreto foi editado, supostamente, para regulamentar dispositivos presentes em outras legislações.

De acordo com ação civil pública ajuizada pela Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo, ao contrário do pretendido pela Prefeitura de Curitiba, o Decreto 1.422/2018 contraria previsões existentes em outras leis, especialmente no Plano Diretor do Município. Entre outras questões, o decreto pretende estipular horários de início e término das apresentações, limitar o número de artistas simultâneos nos espaços públicos e proibir a exposição e a comercialização de bens pelos artesãos fora de feiras oficiais.

Portanto, por afetar negativamente a liberdade de expressão, criação e produção no campo artístico e cultural, restringir o acesso aos espaços de difusão e o direito à fruição dos bens culturais e estar em desacordo com a Lei Orgânica de Curitiba, o Plano Diretor Municipal (Lei 14.771/15), o Estatuto das Cidades (Lei Federal 10.257/01) e as Constituições Federal e Estadual, o recém-editado decreto é considerado ilegal e inconstitucional pelo Ministério Público. O MPPR destaca ainda, na ação, que o processo de elaboração da regulamentação não contou com a efetiva participação da classe artística, especialmente dos artistas de rua da cidade, maiores afetados pelas novas regras.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.