Notícias

Mulher suspeita de morte cruel do ex-namorado dançou funk após o crime

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

13 de novembro de 2018 - 00:00 - Atualizado em 13 de novembro de 2018 - 00:00

Andreia é suspeita de ter comandado morte cruel de ex-namorado (Reprodução)

Mulher foi presa suspeita de comandar morte cruel do ex-namorado

Nas imagens, Andreia segue o ritmo do funk. Dança, se diverte com amigos. O registro é feito momentos depois de uma morte cruel – ela é a principal suspeita de matar o ex-namorado Edivaldo Dias, de 37 anos.

No dia 13 de outubro, às 5h, Edivaldo recebe uma ligação, diz pro pai que vai prestar um serviço sai de casa e desaparece. A família se desespera, busca pistas do paradeiro do rapaz, mas não encontra e avisa a polícia.

Morte cruel: homem encontrado em partes

Três dias depois um corpo foi encontrado em local de difícil acesso por uma testemunha e ele só foi reconhecido pelas impressões digitais, corpo encontrado em partes, em dias diferentes.

Durante a investigação, relatos apontam para um crime passional e uma mulher, como principal suspeita. É Andreia, com quem Edivaldo teve um relacionamento amoroso. Mesmo com a prisão decretada, ela aproveita as brechas da lei para fugir do estado durante o período eleitoral.

Reprodução

Suspeita falou com a RICTV

Sem mostrar o rosto, Andreia falou com na reportagem e se defende, nega qualquer envolvimento com a morte do pedreiro.

“Eu não tenho nada a ver com isso, que eu jamais faria uma coisa dessa!”, alega. A mulher ainda fala sobre como a vítima deveria pagar pelo que fez. “Eu não tô feliz com essa situação, de jeito nenhum. Eu queria que ele fosse preso para pagar o que ele fez com muita gente”, completa a mulher.

As declarações de Andreia são chocantes. Em um trecho, durante entrevista, a mulher mostra o ódio: “ele tinha que pagar pelo o que ele fez na cadeia, não no cemitério. Morrer é muito fácil, se livrar dos problemas morrendo”, disse.

Uma testemunha mantida em sigilo revela ao delegado que Andreia ofereceu R$ 5 mil para matar o namorado, mas ele não aceitou.

Histórico misterioso

Esse não é o primeiro namorado de Andréia morto de forma cruel. No ano passado, o ex da suspeita foi morto misteriosamente com um tiro no rosto. Andréia também é suspeita desse outro assassinato, o que deu o nome a operação.

A quebra de sigilo telefônico de Andreia ajuda a polícia a encontrar pistas. Em uma mensagem de áudio do celular da suspeita, apreendido pela polícia, a advogada de defesa orienta a cliente a continuar escondida.

A Polícia encontrou Andreia em um hotel oem uma cidadezinha do estado de Santa Catarina. No caminho até a delegacia, Andréia chega a oferecer R$ 5 mil em dinheiro aos investigadores para não ser presa.

Ao chegar à delegacia, Andreia decidiu dobrar a oferta e ofereceu R$ 10 mil ao delegado para saltá-la – foi presa em flagrantes por corrupção ativa.

Andréia e jean, considerado co-autor do crime, ficaram em silêncio.

Assista à reportagem completa sobre o caso envolvendo a morte cruel:

 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.