Notícias

Mulher desaparece após sair de casa para fazer exames em Guaratuba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

24 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 24 de fevereiro de 2019 - 00:00

A família está desesperada a procura por notícias (Foto: reprodução câmeras de segurança/divulgação)

Juliane Carneiro Silva, de 31 anos, desapareceu em Guaratuba, no litoral do Paraná, no dia 18 de dezembro de 2018, e até o momento não foi encontrada pelas autoridades; família está desesperada!

Juliane Carneiro da Silva, 31 anos, está desaparecida há mais de dois meses. A mulher sumiu no dia 18 de dezembro de 2018, em Guaratuba, no litoral do Paraná, após sair de uma clínica de exame admissional da cidade. 

Família não possui notícias

De acordo com informações de Priscila Carneiro, irmã de Juliane, ela saiu de bicicleta pela manhã com o objetivo de ir até uma clínica para fazer um exame admissional acompanhada do patrão. No caminho, Juliane parou para deixar a filha, uma menina de três anos, no trabalho da mãe. “Quando ela deixou a minha sobrinha, minha mãe disse que levaria ela de carro ate a clínica por estar muito quente. Então minha mãe levou minha irmã até o patrão, e minha irmã  foi com ele até a clínica”, explica Prsicila. 

Segundo informações obtidas com a clínica, Juliane permaneceu no local por aproximadamente uma hora, mas deixou a clínica sem realizar os exames devido a demora da fila de espera. 

Boletim de ocorrência

De acordo com a família, um boletim de ocorrência sobre o desaparecimento foi registrado na manhã do dia 19 de dezembro, já que Juliane não retornou nenhum dos contatos feitos por familiares. 

Priscila conta que a família ainda tenta entrar em contato com o celular da irmã, mas sempre dá desligado e as mensagens aparecem como se não fossem recebidas. “Ela começou a trabalhar como babá para um casal dono de um restaurante na praia de Guaratuba, e então esse suposto patrão resolveu registrar ela. Eles foram na clínica pra fazer o exame admissional, porém essa clínica é por ordem de chegada, e eles chegaram um pouco tarde, então a recepcionista disse para voltarem no período da tarde”.

Segundo a irmã da desaparecida, Juliane saiu da clínica e entrou no carro com o patrão. “No depoimento o suposto patrão disse que deixou ela na frente do restaurante e deu a ela R$ 50 para que ela tirasse fotos e xerox dos documentos, e que depois disso não a viu mais”.

Sem pistas 

Priscila relata que a irmã não tinha problemas com ninguém, e possuía uma boa relação com o ex-marido. “Minha irmã estava muito feliz com esse emprego, pois como ela tem dois filhos pequenos ia poder ajudar muito minha mãe dentro de casa, pois ela estava morando com a minha mãe”.

De acordo com a irmã da desaparecida, a polícia fez buscas por Juliane, mas ela não foi encontrada ou vista em câmeras de segurança da cidade. Em sua última aparição ela ainda estava indo ao trabalho da mãe para deixar a filha de três anos. Nas imagens, Juliane aparece mexendo no celular. 

Juliane Carneiro da Silva, 31 anos, está desaparecida há mais de dois meses (Foto: arquivo pessoal)
Mais informações

Segundo Priscila, a irmã morou durante sete anos no bairro Cará-Cará, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, mas mudou-se para Guaratuba, cidade onde a mãe mora, em fevereiro de 2018. Juliane tem um filho de cinco e uma filha de três anos. 

Qualquer informação sobre ela pode ser repassada a sua irmã, Priscila, pelos números: (47) 9 9258 5882 e (41) 9 9538 8681. 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.