Notícias

“Muito, muito pior”: Estado mais rico da Índia é assolado por 2ª onda da pandemia

Reuters
Reuters
“Muito, muito pior”: Estado mais rico da Índia é assolado por 2ª onda da pandemia
Pessoas esperam para embarcar em ônibus em terminal em Mumbai, na Índia

6 de abril de 2021 - 09:22 - Atualizado em 6 de abril de 2021 - 09:25

Por Shilpa Jamkhandikar e Rajendra Jadhav

MUMBAI (Reuters) – Os hospitais de Maharashtra estão ficando sem leitos, oxigênio por tubulação e um remédio antiviral essencial agora que uma segunda onda de infecções de coronavírus atinge o Estado mais rico da Índia, disseram médicos e familiares de pacientes.

Sede da capital comercial Mumbai, Maharashtra responde por quase um quarto das 12,7 milhões de infecções de coronavírus indianas. Se o Estado fosse um país, seus mais de 3 milhões de casos o tornariam o décimo mais afetado do mundo.

O Estado do oeste está relatando a maior quantidade nacional de infecções diárias há semanas. O total de casos diários da Índia ultrapassou 100 mil pela primeira vez na segunda-feira, superando o pico da primeira onda de contágio de setembro.

“Isto é muito, muito pior do que a onda de setembro”, disse Sandhya Fernandes, cujo grupo SOS Saviours ajuda pacientes e familiares a encontrarem leitos hospitalares em Mumbai e nos arredores.

“Sabemos de hospitais de Mumbai que estão dando senhas para leitos de Covid-19… mas os pacientes acabam esperando três dias ou mais pela sua vez.”

Farah Pavri foi de hospital em hospital durante cinco horas em busca de um leito para sua tia de 75 anos na segunda-feira, até que um apelo desesperado no Twitter chamou a atenção das autoridades locais e uma ajuda foi proporcionada.

O Ministério da Saúde de Maharashtra não respondeu de imediato a um email pedindo comentário.

Desesperado para conter a disseminação da doença, o Estado impôs um toque de recolher noturno a partir de segunda-feira até o final do mês, fechou restaurantes, shopping centers e locais de culto e proibiu a circulação da maioria das pessoas nos finais de semana.

O suplício de Maharashtra, que tem uma das melhores infraestruturas de saúde do país, é um mau augúrio para o restante da Índia e pode adiar sua recuperação do impacto econômico da pandemia, já que é seu Estado mais industrializado.

Os leitos de tratamento intensivo de muitos hospitais de ao menos quatro cidades grandes de Maharashtra – Pune, Nagpur, Aurangabad e Nashik – estão todos ocupados, disseram seis médicos experientes com os quais a Reuters conversou.

Em Mumbai, 60% dos 1.924 leitos de tratamento intensivo estão ocupados, de acordo com autoridades locais.

(Por Shilpa Jamkhandikar em Mumbai em Rajendra Jadhav in Satara; reportagem adicional de Sachin Ravikumar em Bengaluru e Abhirup Roy em Mumbai)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH350QY-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.