Notícias

MP do Rio abre inquérito para apurar aumento de letalidade policial

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

27 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 27 de setembro de 2019 - 00:00

O Ministério Público do Rio (MP-RJ) abriu nesta sexta-feira um inquérito civil para apurar o aumento dos índices de mortes provocadas por policiais no Estado. Na gestão do governador Wilson Witzel, o Rio registrou recorde no número de óbitos: foram 1.249 de janeiro a agosto.

“A medida foi motivada pelo fato de o MP-RJ ter recebido representações, que demandam uma reflexão responsável sobre a letalidade da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro”, apontou o MP em nota. O inquérito foi aberto por meio do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (GAESP).

Do órgão estadual vinha sendo cobrada uma postura mais pró-ativa, como determina a sentença que condenou o Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos no caso da chacina da Nova Brasília. As mortes por policiais costumam ter investigações tocadas pela Polícia Civil. Elas tendem a ser arquivadas e raramente chegam a uma conclusão.

Em 2016, a CPI dos Autos de Resistência na Assembleia Legislativa do Rio, a Alerj, mostrou que 98% dos casos registrados como “autos de resistência” por policiais eram arquivados.

Após a morte da menina Ágatha Félix no Complexo do Alemão, na semana passada, o MP do Rio recebeu solicitações que o levaram a abrir o inquérito. O presidente do braço estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por exemplo, se encontrou com o procurador-geral de Justiça, José Eduardo Gussem, e lhe entregou uma representação na qual a entidade elenca erros da política de Segurança Pública do governo Witzel.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.