Notícias

Mourão diz que eventual exclusão da Huawei do 5G teria custo muito caro

Reuters
Reuters
Mourão diz que eventual exclusão da Huawei do 5G teria custo muito caro
Logo da Huawei em prédio da empresa na Inglaterra

7 de dezembro de 2020 - 13:42 - Atualizado em 7 de dezembro de 2020 - 13:45

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O vice-presidente Hamilton Mourão defendeu nesta segunda-feira que a Huawei e outras empresas chinesas possam participar do fornecimento de equipamentos para tecnologia 5G no Brasil, desde que possam garantir respeito à privacidade dos dados, e lembrou que a eventual exclusão pode custar muito caro ao país.

“Hoje, 40% da infraestrutura que temos em 3G e 4G é da Huawei. Se, por um acaso, dissessem que a Huawei não pode fornecer equipamento, vai custar muito mais caro, porque vai ter que desmantelar tudo que tem aqui, porque ela não fala com os equipamentos das outras. E quem é que vai pagar esta conta? Somos nós, consumidores”, afirmou o vice-presidente durante um evento na Associação Comercial de São Paulo.

De acordo com empresas de telecomunicações, os percentuais apontados pelo vice-presidente são ainda menores do que os efetivamente usados em equipamentos da Huawei em 3G e 4G. Das sete operadoras que atuam no país, seis delas têm mais de 50% de equipamentos da Huawei, sendo que as duas maiores –Telefônica e Claro– usam, respectivamente, 65% e 55%.

No entanto, contrário à posição das empresas, o governo federal, sob determinação do presidente Jair Bolsonaro, ainda estuda alternativas para evitar a participação da empresa chinesa no fornecimento de equipamentos para a tecnologia 5G.

Incentivado pelo governo dos Estados Unidos, Bolsonaro questiona a confiabilidade dos equipamentos chineses e uma suposta rede de espionagem do país asiático através dos equipamentos de telecomunicações.

Mourão, no entanto, disse que começa a tomar forma dentro do governo a postura de permitir a participação desde que as empresas possam garantir a confiabilidade dos dados.

“Na minha visão, e eu vejo que esta visão começa a tomar forma dentro do governo, toda empresa que comprovar estar dentro do seguinte tripé: respeito à nossa soberania, respeito à privacidade dos dados transmitidos e economicidade, poderá ser contratada para infraestrutura”, afirmou.

O governo prevê a publicação do edital para leilão das zonas de frequência 5G até fevereiro de 2021 e o leilão, até junho.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGB618G-BASEIMAGE