Notícias

Família de jovem de 15 anos que morreu após partida de futsal consegue autorização para velório

A adolescente sofreu três paradas cardíacas e morreu no último sábado (19), mas após ser colocada como suspeita de covid-19, os familiares foram impedidos de realizar a cerimônia fúnebre

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Família de jovem de 15 anos que morreu após partida de futsal consegue autorização para velório
Foto: Reprodução/RIC Record TV

21 de setembro de 2020 - 15:04 - Atualizado em 24 de setembro de 2020 - 19:54

A família de Vivian Araújo Ceccon, de 15 anos, conseguiu nesta segunda-feira (21), depois que o quarto exame de covid-19 deu negativo, a autorização para realizar o velório da adolescente que morreu após jogar uma partida de futsal em Campo Largo, na Grande Curitiba.

Apesar da morte ter sido resultado das complicações causadas pelas três paradas cardíacas que sofreu, os familiares estavam impedidos de fazer as cerimônias fúnebres. Pois, segundo o Hospital do Rocio, onde Vivian estava internada, existia a suspeita da jovem estar infectada pelo novo coronavírus porque uma tomografia apontou uma pequena inflamação em seu pulmão

Adolescente morre após partida de futsal 

De acordo com familiares, Vivian era saudável, mas passou mal enquanto jogava com as amigas na última quarta-feira (16). Ainda na quadra, ela sofreu a primeira parada cardíaca e foi encaminhada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município, onde foi reanimada e submetida ao primeiro exame de covid-19, o qual deu negativo

Na madrugada de quinta-feira (17), ela foi transferida em coma induzido para o Hospital do Rocio. Na instituição de saúde foram realizados dois novos exames que também testaram negativo para o novo coronavírus. Já na manhã de sábado (19), os médicos confirmaram a morte encefálica da paciente e, durante a noite, fizeram um adendo ao atestado de óbito sobre a suspeita de covid-19. Esse complemento fez com que o velório de Vivian não pudesse ser realizado

“Foi feita uma tomografia e nos sinais da tomografia existe uma probabilidade da covid-19 e foi o motivo de eles terem colocado essa observação. Isso foi no sábado a noite, no domingo pela manhã, reuniram a direção do hospital com  a parte jurídica, infectologista, enfim, e chegaram a conclusão de que diante desse resultado eles não tinha como retirar a observação”, explicou o advogado Davi Moreira, que representa a família da Vivian. 

Diante do desespero da família que se negava em enterrar a adolescente sem uma despedida, o advogado solicitou que o hospital fizesse um novo exame de covid-19. Este quarto teste também deu negativo para o vírus e, finalmente, foi autorizado que o corpo passe pelas cerimônias fúnebres

“A gente quer liberar o corpo para ela ter um velório digno. Ninguém quer, uma mãe, um pai enterrar um filho e ainda mais sem a despedida por causa de um suposto covid-19”, declarou Rodrigo Alberto, primo da jovem. 

Assista à reportagem: 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.