Notícias

Moro nega a Lula e à Procuradoria mais testemunhas no caso tríplex

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

15 de maio de 2017 - 00:00 - Atualizado em 15 de maio de 2017 - 00:00

Sérgio Moro já interrogou os outros seis réus do processo; Lula foi o último deles (Foto: Lula Marques/Fotos Públicas)

Na mesma decisão, o juiz Sérgio Moro fixou prazo das alegações finais do processo em que Lula é réu no caso do tripléx

O juiz federal Sérgio Moro negou, nesta segunda-feira (15), à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao Ministério Público Federal ouvir mais testemunhas na ação penal do caso tríplex. Os advogados do petista e a força-tarefa da Operação Lava Jato solicitaram em comum o depoimento da arquiteta da OAS Jessica Monteiro Malzone. Moro negou “a oitiva de Jessica Malzone por não reputar a prova relevante”.

Na mesma decisão, de 11 páginas, o juiz fixou prazo das alegações finais: para a Procuradoria da República, 2 de junho, para a Petrobras, assistente de acusação, 6 de junho, e para as defesas, 20 de junho.

A defesa de Lula pediu também a Moro que a Construtora OAS e a OAS Empreendimentos informassem “quais seriam as empresas que realizariam auditoria sobre elas e depois para que estas sejam instadas a informar se teriam conhecimento se o acusado Luiz Inácio Lula da Silva teria praticado algum ilícito ou se houve irregularidade na transferência do empreendimento Solaris da Bancoop para a OAS Empreendimentos”.

Para Moro, “a prova é absolutamente desnecessária”. “O acusado se defende contra fatos objetivos”, anotou o magistrado. “Se não há no processo notícia de que as auditorias sobre a OAS detectaram prática de ilícitos pelo acusado Luiz Inácio Lula da Silva, é isso que o Juízo considerará. Não há necessidade de provocá-las para esse tipo de manifestação em sentido negativo.”

O juiz da Lava Jato afirmou ainda que “é de se presumir que os acertos de corrupção entre o Presidente da OAS e o ex-Presidente da República, acaso existentes, não eram informados pelo primeiro às auditorias, nem por ela detectados, já que realizados em segredo”.

Veja também

Veja o que disse o ex-presidente Lula em seu depoimento ao juiz Sérgio Moro

Dilma tratou pessoalmente de caixa 2 em 2014, dizem Santana e Mônica Moura

Os advogados do petista solicitaram ainda que a OAS Empreendimentos informasse “quem seriam os responsáveis pela elaboração do Plano de Recuperação Judicial do âmbito da empresa”. A defesa pediu que os responsáveis fossem ouvidos para que fossem esclarecidos “aspectos do plano de recuperação judicial da OAS sobre a propriedade do apartamento 164-A, do Condomínio Solaris, no Guarujá”.

Moro anotou estar “bem demonstrado pela Defesa que o referido apartamento foi incluído, em março de 2016, entre os bens de titularidade da OAS na recuperação judicial”. Para o juiz da Lava Jato, “absolutamente desnecessária outra prova dessa inclusão”.

“Tem o Juízo o fato como provado”, afirmou o magistrado. “Se a inclusão do apartamento na recuperação judicial é ou não relevante para o julgamento, é uma questão que será apreciada na sentença”, finalizou Moro.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.