Notícias

Moraes retira delegado de inquérito que apura interferência de Bolsonaro na PF

Reuters
Reuters
Moraes retira delegado de inquérito que apura interferência de Bolsonaro na PF
Ministro do STF Alexandre de Moraes

27 de agosto de 2021 - 17:17 - Atualizado em 27 de agosto de 2021 - 17:20

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta sexta-feira afastar o delegado Felipe Leal da condução do inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir no comando da Polícia Federal.

Na decisão, Moraes alegou que o delegado determinou quatro providências na investigação sem que tivesse qualquer relação com o escopo da investigação.

Entre os pedidos requeridos pelo delegado estavam cópia de eventuais apurações relacionadas ao senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho primogênito do presidente, e cópia do procedimento que levou à exoneração do ex-superintendente da PF no Amazonas Alexandre Saraiva, que investigou o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

Segundo o ministro do STF, essas determinações ocorreram por ordem do atual diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, que assumiu em abril deste ano e não tem qualquer relação com a investigação sobre a interferência na corporação.

“O presente inquérito foi instaurado, a pedido da Procuradoria-Geral da República, para apuração de supostos fatos noticiados em pronunciamento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Fernando Moro… imputando a prática de ilícitos ao presidente da República”, disse.

“Não há, portanto, qualquer pertinência entre as novas providências referidas e o objeto da investigação”, reforçou.

Moraes tornou sem efeito as providências de Leal e determinou ao diretor-geral da PF que designe novo delegado para conduzir o caso.

Esse inquérito foi a primeira investigação formal contra Bolsonaro no exercício do cargo, decorrente do episódio que levou à saída do governo do ex-juiz da operação Lava Jato. Atualmente o presidente é alvo de cinco investigações perante o STF e o Tribunal Superior Eleitoral.

Procurada, a assessoria de imprensa da Polícia Federal informou que a corporação não vai se manifestar sobre a decisão.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7Q10J-BASEIMAGE