Notícias

Moraes determina que PF retome investigação sobre possível interferência de Bolsonaro na corporação

Reuters
Reuters
Moraes determina que PF retome investigação sobre possível interferência de Bolsonaro na corporação
Presidente Jair Bolsonaro

30 de julho de 2021 - 17:40 - Atualizado em 30 de julho de 2021 - 17:45

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou nesta sexta-feira que a Polícia Federal retome a investigação sobre se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir no comando da corporação, mesmo sem uma definição a respeito do formato do depoimento do chefe do Executivo no caso, se presencial ou por escrito.

No despacho, Moraes destacou que o inquérito, prorrogado na semana passada por mais três meses, tem outras diligências pendentes a serem cumpridas e não deve ficar paralisado. Citou também que no final de setembro a análise sobre o depoimento do presidente será retomado em plenário.

“Considerada a prorrogação de prazo para o término do presente inquérito, por mais 90 (noventa) dias, contados a partir do dia 27/7/2021 e a necessidade de realização de diligências pendentes para o prosseguimento das investigações, não se justifica a manutenção da suspensão da tramitação determinada pelo então relator em exercício, min. Marco Aurélio, em 17/9/2020”, disse.

“Assim, determino a imediata retomada da regular tramitação deste inquérito, independentemente do julgamento do agravo regimental interposto pelo presidente da República Jair Bolsonaro, que está previsto para data breve, 29/9/2021”, reforçou.

A pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, o inquérito foi aberto no final de abril de 2020 pelo ministro Celso de Mello, então relator do caso no Supremo tendo como base declarações do ex-juiz Sergio Moro quando deixava o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública. Essa foi a primeira investigação contra Bolsonaro no exercício do mandato.

Recentemente o presidente virou alvo de um segundo inquérito no STF, por possível prevaricação ao supostamente não apurar suspeitas de irregularidades no contrato da vacina indiana Covaxin contra Covid-19.

(Reportagem de Ricardo Brito; Edição de Alexandre Caverni)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6T1JM-BASEIMAGE