Caroline
Caroline Berticelli / Editora com reportagem de Thaís Travençoli da RIC Record TV, Curitiba

27 de março de 2020 - 00:00

Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:49

Notícias

Curitiba: moradores da Vila Torres passam fome em meio a pandemia de coronavírus

Cerca de mil pessoas precisam de ajuda; saiba como fazer doações de alimentos e produtos de higiene

Curitiba: moradores da Vila Torres passam fome em meio a pandemia de coronavírus
O carrinheiro Carlos Benedito da Silva, de 50 anos, mostra seu carrinho de recicláveis vazio. (Foto: Thaís Travençoli/RIC Record TV)

Inúmeras famílias da Vila Torres, em Curitiba, estão em situação de extrema dificuldade e não têm o que comer. A informação é de Valdemilson Osório de Campos, presidente da associação de moradores da Vila Torres, que diante da situação desesperadora resolveu, junto com o padre do bairro, iniciar uma campanha de arrecadação de alimentos

Campos explica que a população da região é muito pobre e sua maior parte é composta por trabalhadores autônomos e catadores de recicláveis. Como muitas empresas e comércios estão fechados, durante o isolamento para combater a pandemia de coronavírus, esses carrinheiros quase não têm encontrado materiais para recolher. E, para agravar ainda mais a condição, os galpões de triagem estão fechados e não há onde vender o pouco que encontram. 

“Estamos com cerca de mil pessoas em situação desesperadora, sem absolutamente nada para comer. Ele vêm na porta da minha casa pedir a minha ajuda e falam ‘Eu abro o armário na minha casa e não tenho o que comer. Pelo amor de Deus, você consegue me ajudar?’, diz o líder comunitário. 

O carrinheiro Carlos Benedito da Silva, de 50 anos, conta que nesta sexta-feira (27) até às 14h não se alimentou. Ele mora sozinho e não tem para quem recorrer além de Campos que é conhecido por ajudar a todos. 

“Eu não tomei café e nem almocei e nem sei quando vou comer. Não tem o que fazer. A gente trabalha de dia para poder comer a noite”, fala Silva. 

moradores-vila-torres-passam-fome-curitiba

Que não quiser descer do carro é só parar que um voluntário vai até o veículo para receber a doação. (Foto: Thaís Travençoli/RIC Record TV)

“Um quilo de alimento já ajuda. Pode ser um feijão, um arroz, um macarrão, um sabonete, um sabão, qualquer coisa que deixar aqui vai fazer uma diferença enorme na vida de quem não tem nada”, ressalta Campos.

Como ajudar

Para ajudar, interessados podem levar alimentos e produtos de higiene em dois pontos de arrecadação. São eles:

  • em um contêiner na rua Guabirotuba, 770, em frente à Capela Nossa Senhora Aparecida.
  • rua Comendador Franco, 1034. 

Também é possível entrar em contato com o presidente da associação de moradores pelo telefone ou WhatsApp 41. 99791-5811.